Negociações recomeçam com reunião do SNNP-Correios

Correios e representações dos trabalhadores se reuniram nos dias 22 e 23 de janeiro para dar início às negociações de 2015, por meio do Sistema Nacional de Negociação Permanente – SNNP-Correios.

Nesse primeiro encontro do ano, foi assinado o Termo Aditivo ao ACT vigente, alterando as Cláusulas 33 (Empregado inapto para retorno ao trabalho), para assegurar o pagamento do Vale Alimentação para o empregado afastado por acidente de trabalho, 48 (Auxílio para dependentes com deficiência), para garantir benefício escolar para filhos dependentes com deficiência e 53 (Vale Cultura), prorrogando o prazo para adesão ao benefício do Vale Cultura até dia 27 de fevereiro.

Correios e representações dos trabalhadores também analisaram e discutiram o Regimento Interno do SNNP-Correios.

Nessa reunião, o presidente Wagner Pinheiro falou aos sindicatos sobre o Nova Estrutura Organizacional dos Correios, que segue as diretrizes do Plano Estratégico 2020, enfatizando a importância dos trabalhadores da área fim para o crescimento da empresa.

Clique AQUI e veja a ata da reunião.

Esta entrada foi publicada em Negociação Permanente e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

16 respostas a Negociações recomeçam com reunião do SNNP-Correios

  1. Rozenildo disse:

    Alguém pode me explicar pq se fala tanto em privatização? Qual caminho está sendo tomado para isso? Para quando isso deve ocorrer? Qual certeza podemos ter disso?
    Obrigado.

    • Fran disse:

      Não é exatamente a venda dos correios em leilão. Mas é de forma velada, uma espécie de privatização. Com a criação da Correios PAR, seja lá o que isso for, e esse novo modelo de gestão em 2015 que estão querendo aprovar que não fazemos ideia do que seja.

      Acho que seria honesto da parte dos correios lançar pelo menos uma cartilha aos funcionário em forma de página na intranet falando sobre os planos de mudança. Entendo que o sigilo seja importante para os negócios, mas até certo ponto seria possível algumas informações aos colaboradores.

  2. Faia Correios disse:

    Exprica ese negoci da reestruturacao do correio ?
    Pur favô ?

  3. ANTONIO PEROGIL disse:

    Vamos lá, explicar o tar da CorreiosPar

    Vou utilizar o exemplo do BB. Hoje o BB tem o BBPar, que faz a gestão das seguintes empresas:

    – Cobra Tecnologia;
    – Cielo
    – BB Seguros
    – Banco Votorantim
    – BrasilPrev
    – BV Financeira
    – Banco da Patagônia
    E mais um monte de outras

    Com isso, a ECT fará o que? Poderá adquirir empresas, como a Rio LInhas Aereas (para fazer a RPN), a Valid (a empresa que faz serviços digitais, como emissão de CNH e CRLV no estado de SP, que faz os cartões de VA da Ticket, para fazer serviços de Correios digitais, como a carta registrada com AR via e-mail), a Brasspress (para fazer logística integrada e distribuição de livros didáticos, por exemplo), a Claro (para prestação de serviços de comunicação integrada). Além disso poderá criar novas empresas, como o Banco Postal (para vendas de seguros, microcrédito, titulo de capitalização, etc), a PostalCap, a Correios Mobile (para venda de chip de celular), A Postal Saúde, para venda de planos de saúde para o seu vizinho, tia, etc.

    Essa compra ou criação de empresas, será sempre como acionaista majoritário (49,9%), porém para essas empresas não se tornarem dinossauros, não serão estatizadas, serão uma empresa privada em que o dono será os Correios.

    O que isso poderá gerar?

    1- Mais receita para a empresa. Com um portafolio maior, mas serviços poderão ser prestados e mais receita também.
    2- Operações atuais realizadas pela empresa repassadas para as subsidiárias. Poderemos ter o fim do OTT, da GERTE, da Gerencia de Banco Postal.
    3- Mobilidade de contratação e de atendimento as necessidades dos clientes, porém com risco de precarização do trabalho;

    Outra coisa que não poderemos esqeucer é que a nomeação dos presidentes dessas empresas será feita pelos Correios, que será controlador majoritario das ações.

    MInha visão pessoal:

    Para quem não gosta de trabalhar, fica enrolando, cozinhando o galo, pegando atestado dia sim e dia sim, esse futuro é terrível. Com certeza ele não terá mais espaço na empresa.
    Para quem gosta de trabalhar, pode ser que as coisas melhorem. Mas ainda é dificil avaliar como se dará tudo isso.

    Ah, e não nos esqueçamos de uma coisa: Em 2020 haverá a abertura de capital dos Correios.

    O governo (PT ou PSDB, tanto faz) irá vender algom em torno de 30% das ações IPO dos Correios na Bolsa de Valores. Como haverá esse grande, complexo conglomerado, a ECT poderá ter um valor de mercado alto.

    O que muda com a abertura de capital? Continuaremos como empresa publica, porém haverá mais acionaistas pressionando por resultados, o que poderá ser terrível aos cozinhadores de galo.

    Com isso, o sindicato deverá rever sua forma de atuação, assim como ocorreu com os Bancários.

    Curiosidade: Hoje, 58% das ações do BB estão com a União (Governo Federal)

    • Faia Correios disse:

      Migo Tonho, muito boa a sua expricação, e a tar da empresa nem pra expricar isso !!!
      Mas o que acontecerá com os OTT que ocê citou, com os reabilitados que trabaiam neste cargo ?
      Enfim, boa expricação !!!

      • ANTONIO PEROGIL disse:

        Vamos tentar esclarecer algumas dúvidas:

        1 – Os OTTs poderão ser remanejados para outras unidades (Agencias de Correios e CDD precisam de OTTs para carregar, descarregar e expedir a cargas das unidades). Porém não irão mais contratar novos, e com o tempo o pessoal ou aposenta ou pede a conta, extinguindo de vez o cargo. Ou se oferece a mudança de cargo, como fizeram com os Operadores Telemáticos.

        2- Os Correios não divulgarão logo uma cartilha explicando como será porque essas coisas não são estáticas. Alías, o grande diferencial d mundo pós moderno é a possbilidade de a cada dia se reinventar. Vejam as agrandes emrpesas que antigamente atuavam somente em uma àrea e hj atuam em outras (Supermercados que oferecem cartão de crédito; Seguradoras que oferecem plano de telefonia celular; Samsung que faz milhoes de tipos de equipamentos, etc). Portanto algumas informações não serão divulgadas porque simplesmente ainda naõ se tem elas. Além é claro, da questão de segurança da informação: imagina que os Correios querem comprar a divisão da DHL no Brasil. Então ela fala para os empregados que os livros didátivcos e o CD Leste/Oeste a partir de 2016 será feita por uma subsidiária. Na semana seguinte, o presidente dos Correios vai fazer um tour na Europa, e fica 10 dias na Alemanha. Ora, logo logo estarão noticiando que os Correios comprarão a DHL. E o dono da DHL faz igual à refinaria de Pasadena: não investe mais na DHL BRasil, e começa a fazer um trabalho de divulgação do nome da empresa, para subir os valores das ações. Depois vende cacareco pros Correios a preço de Ouro.

        3- Para o sindicato, vender ações na bolsa é privatização. Pode ser que sim e não. Se o governo, no dia de lançar as ações IPO na bolsa decidir lançar 30% das ações, os Correios ainda sserá empresa pública. Isso dependerá de qual o proposito do governo que estiver no país no dia do lançamento das ações na bolsa (seja de qual partido for, mas o importante e qual a necessidade/visão do governante). Se vender 51%, será empresa privada. Porém peço a reflexão de vocês: será que ficarmos parados como uma gigante e pré-histórica empresa pública significa que nossos empregos estão garantidos?

        DEsculpem meu errod e portugUes, mas estou escrevendo do celular.

        • Faia Correios disse:

          Tonho, bon escrarecimento !
          Atuarmente, eta dificir , farta de tudo, cada dia o efetirvo diminui.
          Quando o correio vai toma providencia a isso, o pessoar tá nervoso com o serviço prestado, tenho medo de té anda na rua com ropa da empresa para nao apanhar na rua.
          Quanto tudo isso sera posto na pratica ???

        • artorius disse:

          Antônio, a informação sobre os correios lançarem na BV 30% das ações, é certa? Ou vai ser mais de 50%? Todas as sociedades de economia mista (Petrobras,BB,CEF,etc.),o governo detém mais ou menos de 50%?

    • JACSON disse:

      Sócio majoritário com 49,9%? majoritário seria se tivesse os outros 51,01%.

      • ANTONIO PEROGIL disse:

        Jacson, vc tem razão. Escrevi errado. O correto seria maior acionista, visto que 49% estaria com a ECT e 51% diluídos em vários sócios.

        Quanto à data da implementação é difícil dizer. Precisa de $ (será que temos?), autorização do Planalto (ministérios, agências de regulamentação), vontade política e muito, muitos advogados (já que será uma enxurrada de processos contra).

    • Eita firma porreta esse Correi disse:

      Toim, Falo bunitu di mais, tende do assunto sô!

      Porém vou jogar minha dose de pessimismo no seu comentário, tendo por base o atual governo e a política hoje empregada nesta empresa. Se esperava muito da mudança do ministros e novos caminhos, porém até agora não se trocaram nem os músicos, muito menos a música de funeral.

      Primeiramente concordo com tudo, porém uma vez criada a Correiospar a gestão será indicada pelo presidente da empresa, assim como hoje já ocorre com os Correiosaude que já está um caos, não é uma indicação de funcionários de carreira da empresa e sim respeitando interesses políticos partidários, assim como ocorreu com o Postalis e levou grande parte do nosso capital.
      A justificativa, são critérios e experiência administrativa e tal, porém existe malandros muito mais preparados com diploma e experiência do que se imagina, veja o exemplo da Petrobrás.
      Então será que não haverá compra de empresas com interesses políticos, investindo dinheiro em empresas quebradas, falidas e mau estruturadas. Isto é fato, pois quem faz o estudo da viabilidade de compra e do valor de mercado a ser pago, é confiável ou mais uma empresa policamente indicada para fazer está avaliação, nos dias de hoje temos que levar isto em consideração, novamente utilizando o governo como exemplo Passadena/EUA.
      Quanto ao sucateamento da área de entrega, isto já é claro e não existe outra alternativa, será uma necessidade do mercado e uma atitude que terá apoio de todos os empregados, melhor assim do que do jeito que está, por exemplo os Correios soltaram um concurso nacional, antes era regional de acordo com a necessidade de cada Diretoria ou até mesmo cidade, com isto enquanto não se esgotar todas as vagas do cadastro reserva um novo não é aberto, travando grandes centros onde o salário não é atrativo e as vagas já se esgotaram a muito tempo.
      Quer um exemplo prático são os MOT’s que são substitutos dos atuais carteiros, em breve os Correios poderão aquirir uma empresa para contratação, mas aí vem alguém do sindicato e fala que não se pode tercerizar a atividade fim da empresa, meus caros não duvidem de mais nada do atual governo, as regras estão todas sendo mudadas com apoio dos vossos sindicatos, cada dia mais compostos de mais e mais pessoas indicadas e coligadas com a empresa e a política, um exemplo prático é toda encenação que ocorre durante os acordos coletivos dos últimos anos, batendo recorde o atual que vincula nosso aumento ao lucro da empresa, que lucro com os investimentos feitos esgotando os cofres da empresa, como adquirir alguma coisa ou participação nela sem dinheiro.

      Já não está longe o momento que vamos implorar por apoio na parte operacional, seja como for, acredito que pela própria evolução do mercado não há mais espaço para uma minoria felizmente existente que leva tudo com a barriga, atestados, afastamentos, falta de compromisso, interesses políticos, tudo isto acaba como hoje já existe com o MOT, começou a trabalhar não desenvolve, começa com malandragem, simples solicitasse a dispensa e contrata outro, o salário oferecido pelo menos na minha cidade atraí muita gente que quer mesmo trabalhar, nosso ticket aqui é o salário pago por muitas empresas.

      Então não haverá outra alternativa ou caminho, privatização ou abertura de capital é necessário e inevitável, somente assim haverá esperança para não ver a morte desta gigantesca empresa levada nos últimos anos pela má administração política com a conivência do sindicato que deveria defender os interesses dos empregados e não políticos e pessoais.

      Realmente se ler o estatuto a Correiospar parece a salvação, no papel tudo é belo, porém na aplicabilidade sem vínculos ou vícios é bem diferente. A Realidade difere da Fantasia.

  4. TITANICorreios disse:

    A empresa fala muito em mudar isso e aquilo pra melhorar, só que todos sabemos como realmente ela está. Como acreditar que isso vai dar certo?

  5. COZINHADOR DE GALO disse:

    E EU COMO QUE FICO??????????????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *