Comissão paritária do CorreiosSaúde

Recomeçaram, na última segunda-feira, dia 14, as discussões da Comissão Paritária que tem como objetivo apresentar propostas de melhorias ao plano de saúde, conforme acordado no ACT 2016/2017.

Houve a apresentação do redimensionamento da rede credenciada e o debate do tema entre representantes da empresa e dos trabalhadores.

A representação da empresa apresentou toda a complexidade que envolve a rede credenciada, bem como o fluxo de credenciamento. Além disso, foram abordadas os tipos de contratos com a rede credenciada e a forma que é administrada, contratada e executada.

A apresentação também trouxe o aumento na rede franqueada da Postal Saúde: se em 2014 eram 21.080 prestadores, neste ano o número chega a 27.506. Além disso, foram apresentados os prestadores com os maiores custos.

A Postal Saúde também explanou as ações já em curso para melhorias no plano de saúde e na rede credenciada: construção de uma rede referenciada; articulação de estratégias ou alternativas junto ao mercado de saúde suplementar, com foco em alinhamento de práticas e condutas; negociações e capacitação dos profissionais envolvidos; implementação de estratégias de custos, visando a redução nas despesas assistenciais, dentre outros.

Também nas reuniões ocorreram a apresentação, o debate e as propostas sobre o custeio do Plano de Saúde.

Clique AQUI para ver a ata.

Esta entrada foi publicada em Negociação Permanente e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

9 respostas a Comissão paritária do CorreiosSaúde

  1. antonio jabuca city disse:

    gente a coisa ta ficando seria…

  2. Carteiro 10 disse:

    Esse novo modelo vai sair muito caro para os funcionários! E o pior é que não seremos ouvidos! Nós, os funcionários, vamos pagar a conta.

  3. Carteiro 10 disse:

    Esse novo modelo vai sair muito caro para os funcionários! E o pior é que não seremos ouvidos! Nós, os funcionários, vamos pagar a conta.

  4. COSTA disse:

    Acredito que o primeiro passo é não permitir que mãe e pai façam parte do plano de saúde.

    Testar se é viável permanecer nos moldes atuais apenas com (empregado + cônjuge + 2 filhos) a partir do 3º filho se paga uma mensalidade fixa.

  5. TITANICorreios disse:

    Se começar a cobrar mensalmente eu vou sair fora do convênio…

  6. Gustavo disse:

    Bom dia

    A primeira sugestão seria encerrar imediatamente o a Postal Saúde (essa caixa de surpresas que vive atrasando o pagamento dos credenciados, ocasionando a suspensão nos atendimentos) e o retorno do convênio médico/odontológico para administração própria da ECT.

    A segunda sugestão seria nivelar o percentual de compartilhamento para todos. Hoje o maior valor é 20% para despesas médicas, então essa percentual deveria ser igual para todos os empregados. (isso para pegar leve; lembrando que ainda deveria ser mantido o limite de desconto nos moldes atuais)

    A terceira sugestão refere-se aos dependentes:
    – o empregado que não possui cônjuge e/ou filhos como dependentes do plano (ou seja, completamente solteiro e sem descendentes) poderia incluir os pais com dependentes do plano, seguindo os percentuais que ele já paga, sem a inclusão de cobrança extra.

    – o empregado que possui cônjuge e/ou filhos como dependentes no plano, poderia incluir os pais desde que assumisse um taxa extra de custeio; seja um valor fixo mensal; seja em forma de um percentual maior.

    Peço que levem essas propostas (e outras que receberem de outros empregados) para a Comissão Paritária que está tratando desse assunto, para que sejam analisadas e discutidas.

    Pensem nisso como uma forma de assumirmos, como empregados, a responsabilidade pela manutenção do plano, para que o mesmo não venha a quebrar de uma vez.

  7. Acredito que tudo se resolve com diálogo, portanto ouvindo sugestões de funcionários. O que não dá é fazer comparação com o GEAP, dá licença!

  8. Robson disse:

    Gostaria de ponderar sobre alguns assuntos.
    Em SPM o Diretor Regional é carteiro. Portanto eu que sou Técnico de Correios pago o dobro do que paga o Diretor Regional para usar o plano. Ele ganha muito mais do que eu e a forma atual é injusta.
    Gostaria se não for para que seja cobrado de modo igualitário, que pelo menos quem ganha mais pague mais e a base de cálculo não pode ser apenas a referência salarial, visto que quem possui função se beneficia nesses casos.
    Outra coisa, no ano passado precisei ficar internado por causa de Diabetes. Ao conferir os valores pagos e que seriam futuramente descontados do meu salário percebi cobranças absurdas. entrei em contato com a Postal Saúde falando dos erros na cobrança e que poderia ser economizado pelo menos R$ 2.000,00. E o que foi feito para corrigir? Praticamente nada. Passei por coisas que não usei.
    Quero ver se alguém vai ler esse comentário e entrar em contato comigo para maiores esclarecimentos ou se não servirá para nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *