Empresa negocia e apresenta nova proposta aos sindicatos

A direção dos Correios apresentou ontem, dia 1o, uma nova proposta de acordo para encerrar a paralisação parcial (clique AQUI e veja a ata). O presidente da empresa, Guilherme Campos, reuniu-se com as representações sindicais, mesmo no emblemático feriado do Dia do Trabalho, para tentar chegar a um consenso.

Conheça a proposta:

– Férias: revogação, por 90 dias, da medida de suspensão. Para os empregados que irão gozar as férias nesses 90 dias, a empresa realizará o pagamento dos valores até o teto de R$ 3,5 mil por empregado – o restante será parcelado em cinco vezes;

– Plano de saúde: os sindicatos poderão apresentar uma contraproposta. Caso haja acordo, os Correios retirarão a solicitação de mediação que haviam feito junto ao Tribunal Superior do Trabalho (TST);

– Operação: suspensão de novas implantações da Distribuição Domiciliária Alternada (DDS), do CDD centralizador e da Organização das Atividades Internas (OAI). Será formada uma comissão para negociação desses temas, que também irá avaliar a entrega matutina e a SD/SDE. Os casos locais e os que apresentarem maior dificuldade serão prioridade na negociação;

– Dias parados: desconto referente à sexta-feira (28). Os outros dois dias serão compensados.

A empresa espera que os trabalhadores tenham bom senso na avaliação da nova proposta e encerrem a paralisação parcial, de forma a não prejudicar, ainda mais, a sustentabilidade dos Correios, os próprios trabalhadores, suas famílias e a sociedade brasileira.

Esta entrada foi publicada em Negociação Permanente e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

11 respostas a Empresa negocia e apresenta nova proposta aos sindicatos

  1. Roberto disse:

    Estou até achando louvável essa iniciativa dá empresa em negociar mas, pelo amor de Deus, formulem propostas um pouco mais decentes para ter chances de aceitação. Será que é tão difícil raciocinar mais? Pra que servem tantos assessores especiais e vice presidentes?

    • ROBERTO disse:

      Para nada, nada, nada, nada.

      Está todo mundo perdido e o que estamos vendo é só criação de despesas e inúteis.

      É como dizem: A empresa está um cabide de cargos, um penduricalhos que já perdeu as contas, pois os gastos não são divulgados plenamente e em tempo real.

      Numa empresa com problemas financeiros, por motivo de crise, as baterias de triagem e os centros de entrega estariam vazios.

      Acontece exatamentre o contrário e até as agências estão abarrotadas de encomendas.

      Algo está errado e é na administração central.

  2. Sergio disse:

    Gostaria de fazer uma contra proposta à empresa: apresentar o balanço financeiro de 2016 de forma completa e verdadeira.

  3. Sergio disse:

    Vamos ver como está o cronograma que divulguei dia 01/02

    Os corações indicam que a etapa foi cumprida:

    – sindicato e empresa não entram em acordo ♥♥♥♥♥♥♥
    – sindicato realiza assembleias ♥♥♥♥♥♥♥
    – resultado das assembleias: rejeitar as propostas da empresa ♥♥♥♥♥♥♥
    – empresa não aceita ♥♥♥♥♥♥♥
    – sindicato resmunga ♥♥♥♥♥♥♥
    – empresa faz mimimi ♥♥♥♥♥♥♥
    – sindicato faz geve ♥♥♥♥♥♥♥
    – empresa tenta negociar ♥♥♥♥♥♥♥
    – sindicato diz que a empresa não negocia, empresa diz que o sindicato não negocia ♥♥♥♥♥♥♥
    – 26 dias de greve depois, empresa entra na justiça, com 381 artigos da lei para embasar ♥♥♥ (parcial)
    – sindicato perde na justiça (empresa do governo, justiça do governo, manjou?)
    – empresa implanta o que ela quer
    – sindicato chora e diz que foi golpe e culpa o pessoal da área administrativa que não fez greve
    – empresa ri à toa porque no fim ela fez o que queria desde o início
    – empregados começam o desconto mensal do Correio Saúde/Postal Saúde
    – pais são excluídos do plano
    – outros dependentes pagam mais pelo plano
    – o representante dos empregados no conselho de administração faz textão lamentando o ocorrido, mas sem reconhecer que ele não tem poder legal para nada vezes coisa alguma ♥♥♥♥♥♥♥
    – a ADCAP faz textão lamentando o ocorrido, mas sem reconhecer que ele não tem poder legal para nada vezes coisa alguma

    (esqueci de algo?)

    Vanquivammm!!!

    • ROBERTO disse:

      exatamente.
      Enquanto isso a mão de obra alternativa vai se consolidando cada vez mais, perante os razos de opinião, como solução.

      Uma pena, o postalis não recebe um centavo de contribuição por cada MOT contratado ou que presta serviço.

      A luz no fim do túnel é que logo não vai existir mais efetivo próprio e ai vão pensar: Não precisará mais de postalis e seus empregados, Não precisará mais de postal saúde, Não precisará mais de sindicatos, federações e nem de Funções para administrar a massa que hoje faz greve.
      Tudo tem consequências e o que parece bom agora, amanhã vira problema para alguém.

  4. JURA disse:

    Lamentável a posição da ECT, isso não é ser irresponsável a atitude de nosso Presidente, com a ignorância por parte da Empresa, deixou acontecer esta Greve, porque somente agora aceitou a revogação das Férias, se tivesse dialogado com mais responsabilidade isso jamais teria acontecido, é isso que tem que mudar na Empresa.

    • ROBERTO disse:

      Ele tava indo bem, quando andava sozinho. Agora que começou a se deixar influenciar para alguns assessores ou andar acompanhado. Piorou….erra no básico.

  5. JAIR RIBEIRO DA SILVA disse:

    A direção da empresa está plenamente perdida:

    1 – Emitiu um memorando determinando as transferências de empregados com cargos de técnicos e nível superior ( administradores ) para a área operacional, porém embora citando que não haverá e não deve haver o desvio de cargo, nas atividades a serem realizadas, pois é o que determina a lei, conseguiu perder a sintonia da determinação, por uma decisão liminar;
    2 – Em greve não consegue negociar uma alternativa;
    3 – Discursa que está em crise financeira, porém implanta centros CINESTÉSICOS, para todo o Brasil, gastando como sempre com médicos, fisioterapeutas, equipamentos e espaço físico, em prédios onde o aluguel é da ordem de 2 milhões de reais por mês. Quanto custa este espaço físico? Quanto custa esse programa CINESTÉSICOS?
    4 – Controladores de acesso: Tiraram a conferência pari passo alegando redução de custos. Agora contrata os controladores de acesso, equipamentos de segurança, vigilantes, em pleno discurso de crise, os gastos com segurança são maiores que o modelo antigo;
    5 – Excessiva burocracia na área administrativa: Um empregado vai se deslocar a serviço em determinada região – Cada um tem que acessar o sistema e formalizar o pedido de numerário, sete dias antes, depois ir a uma agência sacar o dinheiro, depois bater 100 carimbos nos recibos, preencher com uma caneta azul, uma caneta vermelha e uma caneta verde, atestando que usou aquele valor. Depois preenche uma planilha com 133 linhas em excel, citando até as vírgulas do recibo. Salva e envia para São Pedro atestar a veracidade. Depois vai novamente a uma agência e recolhe o saldo não utilizado. Posta um sedex para o setor de RH ou lotação que minuciosamente confere ou pede esclarecimentos e arquiva os recibos por anos. Modelo antigo: Havia uma pessoa que redistribuia o valor e lançava em cada centro de custos os valores utilizados por empregado;
    6 – Gestão de RH na estatal: Numa empresa moderna e dinâmica o setor de RH aloca empregados segundo o seu cargo para as funções. Neymar, contratado do Barcelona é atacante e atacante joga no ataque, não na defesa ou no gol. Para quem tem dificuldades em entender a correlação entre cargo/atividade e contrato de trabalho basta apenas repensar: A empresa determinou que os empregados sejam alocados em seus cargos público, porém há uma animosidade em cumprir ordens e isso gera pessoa errada na local errado e um alto custo para administras essas situações da área de RH ou de gestão de pessoas.
    7 – Crítica a área de RH: Se um empregado é admitido para ganhar R$ salário X ( 1.500,00 ) e ao ser alocado numa função B, cujo salário singular é R$ 15.500,00 a estatal tem que desembolsar o valor de 14.000,00 para custear o desvio de cargo. Além disso, paga para outro empregado de nível superior, onde o salário base é maior, um valor para que?
    8 – Passado alguns anos o empregado, desviado de cargo, vai na justiça do trabalho e incorpora o valor ao seu salário? É justo isso? Num momento que falamos de corrupção, que repudiamos a corrupção, é justo incorporar um valor que corresponde em algumas casos há mais de 100% do salário base?
    9 – Novamente na empresa temos casos de empregados com cargos Juniores, que fazem trabalhos de empregados com cargos seniores e isso se espalha onde temos empregados com cargos diferentes, logicamente também com salários, diferenciados, fazendo o mesmo trabalho e na maioria das vezes, nos deparamos com o menor salário fazendo mais. Não sou criança, pois as vezes há muita maquiagem nesse fazer mais;
    10 – Quando os saldos que passam eram da ordem de R$ 1000,00 nas agências havia mensalmente as inspeções rotineiras. Agora que o valor é elevado desde 2009 que não ocorre e o mesmo ocorre com os centros de distribuição que não são inspecionados, com política de consequências, para falhas repetitivas, constatadas em inspeções. Aliás as inspeções quando ocorrem estão dentro da própria área fiscalizada, o que inibe apontamentos dos fiscalizadores;
    11 – Política de remuneração ou retribuição para funções: é fato que a remuneração singular fracassou, pois criou distorções na incorporação salarial, criou interesses pelo dinheiro e não frutificou a vocação pelo servir. A empresa já fez estudos e reluta em IMPLANTAR A REMUNERAÇÃO DE FUNÇÃO POR PERCENTUAL DO SALÁRIO BASE DO TÍTULAR, excetuando os cargos de livre nomeação e demissão que são de vices-presidentes e presidente. Uma escalara de 20 a 100% do salário base do OCUPANTE DA FUNÇÃO. Vamos ver se sai da gaveta logo.

    Temos muito que evoluir e a começar pelo dialogo aberto e franco sobre GESTÃO DE RH, coisa que a pesquisa de clima não permite frisar ou opinar.

  6. Wellington Pereira Dos Santos disse:

    Rua Cachoeira Da Felicidade ,21

  7. Moacir disse:

    comentários censurados por que dizem a verdade?

    Por que alguns comentários são censurados???

    Verdade seja dita: A empresa está com a folha de pagamento comprometida por causa dos desvios de cargos e o pior é que após perderem as funções as pessoas, desviadas de cargos, estão ingressando na justiça e obtendo incorporação de valores que muitas vezes corresponde a mais de 100% do vencimento básico.

    Bate-se panela contra a corrupção, mas contra esta corrupção que é incorporar dinheiro público, ilegalmente, indevidamente, parece tabú falar ou criticar.

    A greve que está ocorrendo é meramente por incompetência em negociar e apresentar soluções práticas para o postalsaúde. Afinal fazer guias internamente sempre foi mais econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *