Correios é reconhecido com o Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça

Os Correios receberam nesta terça-feira (24) o Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça, concedido pelo Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos durante cerimônia realizada em Brasília (DF). Esta é a segunda vez que a estatal é contemplada com o selo, que atesta os bons resultados obtidos pelas organizações que desenvolvem ações de promoção da igualdade de gênero e raça no ambiente institucional.

A secretária de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres, Tatau Godinho, ressaltou a importância do selo para estimular o debate nas empresas sobre a discriminação de gênero. “A gente percebe um aumento da participação de mulheres em cargos de direção nas empresas pró-equidade bem maior do que a média do mercado de trabalho no Brasil”, afirmou.

Os Correios aderiram ao Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça em 2011, com ações que objetivam contribuir para a eliminação da discriminação racial e das desigualdades vivenciadas pelas mulheres no ambiente de trabalho.

Entre as ações desenvolvidas pela empresa estão a adesão à linguagem inclusiva, a adequação de uniformes e o empenho para incentivar trabalhadoras e trabalhadores a fazerem a autodeclaração étnico-racial para o cadastro institucional. Como resultado desta última iniciativa, cerca de 53 mil empregadas e empregados (44% do efetivo total) se autodeclararam negros (pretos ou pardos) em levantamento realizado pela estatal.


Esta entrada foi publicada em Institucional e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

Uma resposta a Correios é reconhecido com o Selo Pró-Equidade de Gênero e Raça

  1. RONALDO SILVA disse:

    O Brasil é um pais que discrimina…!

    Talvez a maioria dos brasileiros não percebem, mas a formalização da discriminação se fáz a cada ação de combate da discriminação em suas deverças vertentes.
    – racial – não há cotas para brancos
    – genero – não há lei de proteção ao homem (não existe punição a agressora)
    – religiosa – os evangélicos não tem direitos iguais aos grupos opostos.
    – etc…
    Vou meditar um pouco!!! …será que esse povinho que buscam igualdade não estão buscando serem superiores em detrimento de outros? …