Correios busca aprimorar sistema de franquias

Com o objetivo de melhorar o atendimento à população brasileira, em consonância com as exigências impostas pelos órgãos de controle, os Correios primam por um processo de licitação transparente e participativo das agências franqueadas.

Do total de 1.400 agências, cerca de 500 já foram licitadas no novo modelo.

Diante desse compromisso e da importância dos parceiros franqueados na estrutura dos Correios — hoje são responsáveis por 40% da receita da empresa —, a ECT tem se empenhado na contínua melhoria do processo e da parceria. Prova disso foi a audiência pública realizada em Brasília, em julho de 2011, com a presença de cerca de 300 pessoas.

Resultados

As propostas resultantes da audiência foram estudadas e incorporadas no novo edital, tais como:

– permissão para atuar com produtos de marketing direto;

– revisão da tabela de remuneração dos franqueados, tornando-a mais atrativa;

– flexibilização de itens de infraestrutura, ampliando a possibilidade de participação na concorrência;

– alteração da forma de prestação de contas e pagamento de comissão;

– possibilidade de implantação de guichês de retaguarda, para atendimento empresarial, dentro das agências;

– exigência de ensino médio apenas para empregados diretamente envolvidos nas atividades objeto do contrato.

Diálogo

De julho de 2011 até o momento, os Correios realizaram 12 reuniões com as associações dos parceiros franqueados e instituíram, no último trimestre de 2011, o Comitê Postal de Gestão da Rede Franqueada (CPGR), para trabalhar em conjunto e propor soluções para os possíveis problemas. 

As exigências legais, como a Certidão Negativa de Débitos Fiscais (CNDT), motivo das atuais discussões judiciais da ABRAPOST, é exigência legal, que protege interesses dos trabalhadores, direitos fundamentais que não podem ser desrespeitados. Desde 4 de janeiro de 2012, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) expede a CNDT, de maneira automática e gratuita, pela internet, com validade de 180 dias, mesmo às empresas devedoras, o que torna sem razão a discussão sobre esse ponto do edital.

Outros pontos contestados vêm sendo afastados por sucessivas decisões judiciais favoráveis à ECT, que tem oferecido um procedimento simples e aberto, que atende às garantias legais e aos interesses da sociedade, destinatária dos serviços públicos.

Os Correios reafirmam sua disposição ao diálogo com os parceiros e continuarão transparentes na condução do processo de licitação, propondo melhorias e buscando o equilíbrio entre os interesses dos franqueados, da empresa e, principalmente, da população brasileira.

 


Esta entrada foi publicada em Negócios e Mercado e marcada com a tag , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

4 respostas a Correios busca aprimorar sistema de franquias

  1. eustáquio de araújo barbosa disse:

    Os Correios continuam na meta de exterminar com as franquias menores que estão exatamente no interior do pais.
    Não tem cabimento exigir a mesma área de uma franquia baseada nas grande capitais.
    A reivindicação dos pequenos de trabalhar com um guichê não foi atendida.
    Exatamente os pequenos que fazem o trabalho de varejo e dão excelência em atendimento para a população de menor renda.
    Os Correios irão acabar com a capilaridade com este edital.

  2. Correios disse:

    Eustáquio,

    Conforme o novo edital de licitação das AGFs, a área física do imóvel é definida em função do mobiliário exigido para determinada quantidade de guichês de atendimento. Já o número mínimo de guichês é determinado pelas Diretorias Regionais da ECT, de acordo com a demanda prevista para a região de atendimento licitada.

    Nos casos das agências com 2 guichês, o edital não prevê a possibilidade de apresentar proposta com redução para 1 guichê pelas seguintes razões:

    – A possibilidade de implantação do Banco Postal, que só pode ocorrer em agências com no mínimo 2 guichês.

    – A exigência de atendimento em guichê preferencial – um só guichê causaria dificuldade na prestação deste tipo de serviço, além de aumentar o tempo de espera em fila. Este é um dos atributos mais valorizado pelo cliente.

    – Por estarem localizadas na sua maioria em grandes centros, onde há mais visibilidade dos usuários, as AGFs que não atendessem à população em tempo hábil poderiam ser alvos constantes de denúncias do PROCON.

  3. Fernando disse:

    Ótima iniciativa esta na hora de uma renovação.

  4. Independiente disse:

    E pau no gato sem massagem… a ECT esta certa nisso.

    As franquias tem de se adaptar a realidade da ECT, com lojas padronizadas, tipo Boticario, Lacqua di Fiori, sorveterias, perfumarias, etc. Quem nao estiver disposto a investir, ou nao tiver dinheiro para gastar, que deixe para outro.