TST determina encerramento da greve dos Correios

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) julgou na tarde de hoje (27), na sede do tribunal, em Brasília, o dissídio coletivo dos Correios.

O tribunal determinou o encerramento da greve e o retorno imediato ao trabalho nos Correios a partir da zero hora desta sexta-feira (28). Hoje, 90% dos 120 mil empregados trabalharam normalmente — 11.825 empregados aderiram à paralisação.

No julgamento do dissídio, os ministros do TST aprovaram reajuste de 6,5% para salários e benefícios, retroativo a agosto. Quanto aos dias parados, foi determinado que sejam compensados ou, caso haja recusa, descontados. Se as entidades sindicais não cumprirem a data de retorno estipulada, será aplicada multa de R$ 20 mil/dia.

Com o fim da paralisação, a estimativa da empresa é normalizar a entrega com a realização de mutirão no próximo fim de semana (dias 29 e 30). Da carga dos últimos seis dias de paralisação, 89,8% foi entregue no prazo, o que equivale a 191,3 milhões de cartas e encomendas.


Esta entrada foi publicada em Institucional e marcada com a tag . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

63 respostas a TST determina encerramento da greve dos Correios

  1. JOÃO disse:

    A ECT CONSEGUIU O QUE QUERIA ,DESDE O INICIO FICOU CLARO SUA IMPOSIÇÃO,DE NÃO QUERER NEGOCIAR…NÃO VALORIZA OS SEUS EMPREGADOS,NESSA AMBIÇÃO DE QUERER GERAR LUCRO P/ OS COFRES DO GOVERNO , EXPLORAM O TRABALHADOR EM TODOS OS SENTIDOS, FINANCEIRA,, FISICAMENTE E PSICOLOGICAMENTE……
    A CADA DIA, FICAMOS MAIS DESMOTIVADOS COM ESSA EMPRESA…..

  2. elizeu thomaz disse:

    parabéns correios

  3. E gora? disse:

    A Empresa fai falir!?
    Já que ela nãopoderia dar um nada além de 5,2 %

    Que bom que o TST reconheceu que das empresas públicas a ECt é que paga o pior salário.

  4. Zé Coméia e Catatau disse:

    Vamos ver se agoranos aprendemos a confiar menos nos Sindicatos

  5. Joyce Batista disse:

    Parabéns TST! Vou doar meu aumento à empresa, pois ela precisa mais que eu!

  6. MARCELO disse:

    TST determina aumento de 6,5% e fim imediato da greve dos Correios

    (Qui, 27 Set 2012, 18:20)

    Os ministros da Seção de Dissídios Coletivos do Tribunal Superior do Trabalho decidiram, nesta quinta-feira (27), que os trabalhadores dos Correios terão um aumento de 6,5%, reajuste extensivo aos benefícios sociais. Com o julgamento do dissídio coletivo de greve, os trabalhadores devem retornar ao trabalho a partir da zero hora desta sexta-feira (28), observados os turnos de cada empregado.

    Os ministros decidiram, ainda, que não serão descontados os dias parados, mas foi determinado que os trabalhadores deverão compensá-los, em até seis meses, com observação dos intervalos intra e inter jornada, e do descanso semanal remunerado.

    Pela decisão, o percentual de reajuste deve ser aplicado aos salários e aos benefícios dos trabalhadores, como vale-alimentação, vale cesta, vale extra, vale transporte, reembolso creche e babá e reembolso para dependentes portadores de necessidades especiais e gratificação de quebra de caixa.

    Por maioria de votos, a SDC decidiu que a sentença normativa tem vigência de quatro anos, a contar da data do julgamento.

    Alerta

    Após o julgamento, em entrevista aos jornalistas, o presidente do TST, ministro João Oreste Dalazen (foto), afirmou que o reajuste concedido foi o melhor possível, diante das circunstâncias. E fez um alerta quanto aos pedidos formulados pelos trabalhadores, como fixação de gratificação por horas extras de 200%, adicional noturno de 150%, e piso salarial de R$2.500,00. “Houve certa radicalização nos pedidos, pois muitos são contrários ao estabelecido pela lei, o que dificultou as negociações. As duas partes, empregador e empregados, deveriam refletir e ponderar sobre as posições adotadas.”

    Sobre a compensação, o ministro Dalazen salientou que a lei de greves determina o desconto salarial pelos dias de paralisação, mas também prevê que os Tribunais do Trabalho podem adotar outras soluções. “Por causa da atipicidade desta greve, considerando o módico piso salarial da categoria e as dificuldades nas negociações entre as partes, pareceu mais justo determinar a compensação dos dias parados, e não o desconto salarial”, afirmou o presidente.

    Plano de Saúde e entrega domiciliar

    A sentença normativa prevê ainda a manutenção do plano de saúde dos trabalhadores em sua condição atual, com a determinação de que seja constituída comissão paritária – composta por representantes da empresa e dos empregados – para discutir eventuais alterações ou revisões na cláusula que trata do tema.

    Outro ponto importante da sentença normativa foi a determinação para que a empresa priorize a entrega domiciliar no horário matutino, uma importante reivindicação dos trabalhadores em razão de problemas de saúde causados pelo calor intenso em grande parte do país. Ficou determinado que a empresa deverá realizar projetos pilotos em três localidades, com entrega matutina uma vez por dia, para avaliar a possibilidade de alterar o procedimento.

    A sessão

    O julgamento do dissídio durou três horas, quando foram analisadas diversas cláusulas do dissídio coletivo suscitado pela ECT.

    Ao apresentar o relatório sobre o dissídio, a ministra Kátia Arruda, relatora do processo, revelou que a ECT afirmou, na petição inicial, que teria tentado negociar com os trabalhadores, sem sucesso. De acordo com a ministra, a empresa pediu que a greve fosse considerada abusiva, uma vez que os trabalhadores não teriam informado, com a antecedência de 72 horas prevista em lei, a deflagração do movimento grevista, que teve inicio no dia 11 de setembro último. Por fim, salientou que a empresa ofereceu reajuste de 5,2%.

    Já os trabalhadores, lembrou a ministra, pediam inicialmente um reajuste de 43,7%, com a determinação de aplicação de gatilho linear para compensar a inflação.

    A ministra destacou que não houve acordo nas duas tentativas de conciliação realizadas pelo TST, a primeira conduzida pela vice-presidente da Corte, ministra Maria Cristina Peduzzi e a segunda pela própria ministra Kátia Arruda.

    MPT

    Em seu parecer, o representante do Ministério Público do Trabalho disse que as entidades sindicais que representam os trabalhadores dos Correios deveriam integrar a lide, por serem os legítimos representantes dos trabalhadores, conforme determina a Constituição Federal, em seu artigo 8°. Para o Ministério Público, só assim a decisão da Corte neste julgamento poderia ter plena eficácia. Sindicatos estaduais de extensa representatividade não estão mais filiados à Fentect, disse o subprocurador geral do Trabalho Edson Dantas. Segundo ele, a própria federação reconheceu que quase 60% dos trabalhadores estariam excluídos da negociação.

    Sobre a alegada abusividade da greve, o representante do MPT lembrou que a deflagração de greves é lícita e faz parte da negociação. Para ele, foi a empresa que acabou levando a categoria à deflagração do movimento grevista, por conta da intransigência em certos pontos das negociações. Assim, a greve, no seu entender, não deve ser declarada abusiva, e com isso não deveriam ser descontados, mas compensados os dias parados.

    O procurador se manifestou pela manutenção das cláusulas sociais e pela instituição de cláusulas sobre plano de saúde e distribuição da correspondência pela manhã.

    Ao concluir seu parecer, o representante do MPT disse entender que uma empresa que aufere lucro de R$ 800 milhões por ano, à qual a União outorgou rentável atividade de serviço postal, em caráter de monopólio, tem condições de oferecer reajuste salarial de 8% para todos os trabalhadores da ECT.

    ECT

    O advogado da ECT concordou com a proposta do MPT, no sentido da participação dos sindicatos no processo. Mas, segundo ele, não na condição de litisconsorte passivo necessário, e sim na condição de litisconsorte assistencial.

    Sobre o mérito do dissídio, frisou que não se podia falar em intransigência por parte da ECT. A empresa, disse o representante da ECT, ofereceu 5,2%, sobre salários e benefícios, índice que segundo ele atenderia não só os interesses dos trabalhadores, como a garantia do emprego.

    Quanto ao Plano de Saúde, a empresa afirmou que a ECT já oferece plano – não contributivo, que atende 400 mil beneficiários e não apenas os trabalhadores, que são 120 mil. Plano esse que seria mantido até que a agência reguladora (ANS) alterasse as normas sobre a matéria.

    O advogado revelou que a ECT tem a intenção de realizar três projetos pilotos para estudar a possibilidade de alteração no horário da entrega das correspondências.

    Ao terminar sua sustentação, pediu que fosse declarada a abusividade da greve, com desconto dos dias parados, e a determinação do retorno imediato ao trabalho.

    Federação

    A advogada da Federação, Raquel Rieger (foto), sustentou, durante o julgamento, que a greve aconteceu por conta da intransigência da ECT. Disse que, no tocante ao reajuste, os trabalhadores abriram mão do pedido inicial, e aceitaram os 5,2% de reajuste proposto pela empresa, mais aumento linear de R$ 80,00, conforme proposta da vice-presidente do TST, ministra Maria Cristina Peduzzi. Disse que a empresa, por outro lado, não cedeu nas negociações, impedindo que se chegasse a um acordo.

    Os trabalhadores tentaram chegar a um acordo, e avisaram com antecedência que poderia haver movimento grevista, lembrou a advogada. O que causou o estado de greve, disse ela, foram as condições nefastas de trabalho da categoria, que recebe o menor salario inicial de todas as categorias públicas, aliado a um déficit de cerca de 30 mil trabalhadores, o que acaba levando os empregados a realizarem horas extras e a trabalhar em finais de semana, levando a situações de piora da saúde dos trabalhadores.

    A advogada argumentou que o plano de saúde é direito fundamental dos empregados da ECT, e que a empresa deve oferecer condições mínimas de saúde e segurança. De acordo com a advogada, a cláusula que trata da saúde é uma cláusula histórica da categoria, e qualquer alteração nessa cláusula seria um grande retrocesso social.

    Com esses argumentos, a advogada pediu que fossem levados em consideração os índices de reajuste apresentados pela ministra Maria Cristina Peduzzi, a manutenção da cláusula do plano de saúde e as demais conquistas sociais.

    Relatora

    Ao iniciar seu voto, a ministra Kátia Arruda (foto) se manifestou contrariamente ao ingresso no feito da Federação Nacional dos Advogados, da Federação Nacional dos Engenheiros, do Sindicato dos Engenheiros do DF e da Confederação Nacional de Profissionais Liberais. Essas entidades têm pautas diferenciadas da Fentect, salientou a ministra. Por outro lado, a ministra votou pelo deferimento do ingresso da União como assistente simples.

    Quanto ao ingresso dos sindicatos de São Paulo, Rio de Janeiro, Tocantins e Bauru, a ministra disse que existe, no caso, a possibilidade de que, sem a integração dessas entidades, o julgamento não venha a resolver a controvérsia em âmbito nacional.

    Ela lembrou que a Fentect representa apenas os trabalhadores dos sindicatos a ela vinculados. Como no caso, até pela peculiaridade do conflito social, a sentença deverá alcançar a todos igualmente, principalmente quanto às cláusulas sociais e econômicas, a ministra votou pelo ingresso das entidades citadas no polo passivo do dissídio coletivo, na condição de litisconsortes facultativos unitários.

    Os ministros acompanharam a relatora, mas fizeram a ressalva de que levavam em conta a especificidade do caso, para que a decisão não abra um precedente.

    Abusividade

    De acordo com a ministra Kátia Arruda, a empresa afirmou que não teria sido notificada da possibilidade do movimento paredista, dentro do prazo legal, de 72 horas, e portanto o movimento deveria ser considerado abusivo. Mas, segundo a relatora, de acordo com os autos, houve notificação dentro do prazo legal. Assim, concluiu a ministra, não pode se falar em abusividade da greve.

    O ministro Walmir Oliveira da Costa acompanhou a relatora, e destacou que, de acordo com decisões do STF, o serviço postal é essencial. Por unanimidade, os ministros da SDC declararam que o movimento não é abusivo.

    Reajuste

    Sobre a questão do reajuste salarial, a ministra disse que analisou os índices econômicos (como IPCA, INPC, IPC), e chegou à conclusão de que seria adequada a concessão de um reajuste de 6,5%, a partir de 1° de agosto de 2012, valor que segundo ela preservaria minimamente o poder aquisitivo dos trabalhadores. Já a questão do aumento linear, frisou a ministra, somente seria possível mediante acordo coletivo.

    Ao acompanhar a relatora, o presidente do TST, ministro João Oreste Dalazen, fez menção aos baixos salários pagos pela empresa, um dos salários mais baixos de todas as empresas públicas federais, disse o ministro, lembrando que o piso da categoria é de R$ 942,00.

    Para o presidente, a ECT deveria tomar a iniciativa de melhorar as condições salariais dos empregados, principalmente levando em conta os lucros apresentados, mais de R$800 milhões no último ano, lucros que poderiam ser compartilhados com seus empregados.

    Cláusulas sociais

    Os ministros da SDC mantiveram a validade das cláusulas sociais constantes da última sentença normativa, que tinham vigência de quatro anos. Apenas alguns itens sofreram revisões, principalmente para aplicação do índice de 6,5% de reajuste sobre os benefícios.

    Uma das cláusulas que sofreu alteração foi a nº 11, sobre assistência médica, que segundo a ministra seria uma das principais preocupações dos trabalhadores. Kátia Arruda se manifestou pela manutenção desta cláusula, mas incluindo uma proposta apresentada pelo MPT, no sentido de que seja constituída comissão paritária, responsável por realizar estudos autuariais. Eventuais alterações ou revisões, explicou a ministra, só aconteceriam após análise dessa comissão.

    As cláusulas 13, sobre auxílio para dependentes portadores de necessidades especiais; 30, sobre gratificação de quebra de caixa; 53, sobre reembolso creche e babá; 61, sobre vale refeição/alimentação, vale cesta e vale extra (chamado de vale peru); e 62, sobre o vale transporte, foram alteradas apenas para fazer incidir sobre os valores atuais o reajuste de 6,5%.

    Sobre o chamado vale peru, ficou decidido que a cláusula deve ser mantida, já que a própria empresa se manifestou pela garantia das cláusulas sociais constantes da sentença normativa do ano passado.

    Distribuição matutina

    A cláusula 23, que trata da distribuição domiciliar, motivo de bastante discussão entre as partes na audiência de conciliação, sofreu uma alteração, para dispor que a empresa deve priorizar a entrega no turno matutino, salvo no caso de encomendas urgentes, em projeto piloto a ser realizado em três unidades. Nesse ponto, a ministra lembrou que a própria empresa já havia demonstrado interesse em realizar estudos para analisar a possibilidade de mudar o turno de entrega para o período da manhã.

    Encerramento da greve

    Por unanimidade, foi determinado o retorno imediato ao trabalho a partir da zero hora do dia 28, conforme as respectivas escalas de trabalho, ou seja, respeitando o horário de início da jornada normal de cada empregado. Os ministros lembraram que o artigo 14 da Lei de Greve, dispõe que a decisão do TST no julgamento do dissídio coletivo põe fim à greve. Assim, a SDC estipulou multa de R$ 20 mil por dia, no caso de não observância do prazo estipulado para o retorno ao trabalho.

    (Mauro Burlamaqui / RA – Fotos Felipe Sampaio)

    Processo: DC 8981-76.2012.5.00.0000

    Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC)

    A Seção Especializada em Dissídios Coletivos é composta por nove ministros. São necessários pelo menos cinco ministros para o julgamento de dissídios coletivos de natureza econômica e jurídica, recursos contra decisões dos TRTs em dissídios coletivos, embargos infringentes e agravos de instrumento, além de revisão de suas próprias sentenças e homologação das conciliações feitas nos dissídios coletivos.

  7. Filha disse:

    Olha no que deu! Linear nem pensar. E que excelente aumento, para quem ficou em casa esperando o resultado!

  8. Manoel Augusto da Silva disse:

    SEM COMENTÁRIOSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS

  9. CARTEIRO INDIGNADO disse:

    TST AUMENTOU 16 REAIS EM RELAÇÃO À PROPOSTA DA ECT. “OBRIGADO TST, PARCEIRO…POR NOS BRINDAR COM UMA PROPOSTA MENOR QUE DO ANO PASSADO.. BEM MENOR…E SEM LINEAR..E SEM ABONO… ANO PASSADO DEU LINEAR E ESSE ANO DIZ QUE NÃO TEM PODER PRA DAR LINEAR…” TODOS GREVISTAS E NÃO GREVISTAS TENHO CERTEZA QUE ANO QUE VEM A ADESÃO SERÁ MUITO MAIOR.

    AGORA A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR:

    PORQUE, TST, ANO PASSADO VOCÊS TIVERAM PODER DE DAR AUMENTO LINEAR E NESTE ANO AFIRMARAM NÃO TEREM TAL PODER?.. QUE SOMENTE EM NEGOCIAÇÕES COLETIVAS…ORA, TST, SE NÃO PUDERAM DAR O AUMENTO LINEAR ENTÃO QUE TRANSFORMASSEM O LINEAR EM ÍNDICE ECONÔMICO COMO O PROCURADOR NA AUDIÊNCIA DE CONCILIAÇÃO PASSADA PROPÔS, COMEÇANDO POR 13,5% E ENTÃO 8,5%.. VOCÊS DEVERIAM SER FIRMES E IMPOR OS 8,5% VISTO QUE TIVERAM CONSCIÊNCIA QUE A EMPRESA AGIU DE MA FÉ, FOI INTRANSIGENTE E SEGUNDO VOCÊS MESMOS, A ECT NÃO INVESTE EM PESSOAL E MAQUINÁRIO E SIM EM APLICAÇÕES FINANCEIRAS COMO SE FOSSE UM BANCO! VOCÊS MESMO VIRAM ISSO! ELA ACHOU QUE PROCURANDO VOCÊS O ACORDO FICARIA EM MENORES VALORES E INFELIZMENTE ASSIM ACONTECEU..VITÓRIA DA ECT E DERROTA DO POBRE TRABALHADOR QUE VAI À RUA TODOS OS DIAS DEBAIXO DE SOL OU DE CHUVA!

  10. Elias disse:

    TST determina aumento de 6,5% e fim imediato da greve dos Correios:

    Sobre a questão do reajuste salarial, a ministra disse que analisou os índices econômicos (como IPCA, INPC, IPC), e chegou à conclusão de que seria adequada a concessão de um reajuste de 6,5%, a partir de 1° de agosto de 2012, valor que segundo ela preservaria minimamente o poder aquisitivo dos trabalhadores. Já a questão do aumento linear, frisou a ministra, somente seria possível mediante acordo coletivo.

    Ao acompanhar a relatora, o presidente do TST, ministro João Oreste Dalazen, fez menção aos baixos salários pagos pela empresa, um dos salários mais baixos de todas as empresas públicas federais, disse o ministro, lembrando que o piso da categoria é de R$ 942,00.

    Para o presidente, a ECT deveria tomar a iniciativa de melhorar as condições salariais dos empregados, principalmente levando em conta os lucros apresentados, mais de R$800 milhões no último ano, lucros que poderiam ser compartilhados com seus empregados.

  11. Emerson disse:

    em quanto vai ficar o Vale alimentação para quem trabalha de seg à sexta? e seg. à Sáb?

    • TE disse:

      Emerson
      SALÁRIO BASE INICIAL = R$ 1,004,02.
      VALE ALIMENTAÇÃO REFEIÇÃO 23 VALES = R$ 612,26 e 27 VALES R$ 718,74 OU SEJA R$ 26,62 POR DIA.
      VALE CESTA R$ 149,10.
      REEMBOLSO BABÁ/CRECHE R$ 409,97.
      AUXILIO P/DEPENDENTES DE CUIDADOS ESPECIAIS R$ 650,73.
      CRÉDITO EXTRA (VALE) EM DEZ/2012 PARA OS ADMITIDOS ATÉ 31/07/2012 DE R$ 612,26.

  12. ze disse:

    É simplesmente lamentável a decisão do TST. Como sempre os trabelhadores saíram perdendo…

    • sonhador disse:

      amigo ze desta ves saimos vitoriosos pois não mecheram em nosso plano de saude e tivemos um aumento maior que os correios queriam pagar,agora e certo que se os atendentes e a area administrativa fizessem greve teriamos um salario bem melhor,mas grev e coisa de quem tem coragem e consciencia para lutar por melhorias

  13. adilson disse:

    É, ACABOU COMO SEMPRE ACABA, MAS DESTA VEZ O PREJU FOI MAIOR, NEM O VALE PERU NEM LINEAR, TEMOS QUE NOS CONTENTAR COM ESSE DESRESPEITO POR PARTE DA EMPRESA

  14. edimar disse:

    To preocupado com o futuro da empresa.

    Esse “grande” aumento a + que o TST deu para categoria poderá levar a empresa a falência.

  15. Nilton Moliesi disse:

    Pessoal,

    O que faltou nas informações acima é que serão respeitados os repousos semanais. Mutirão no dia 29 (sábado) pode até ser, mas no dia 30 (domingo) é opcional. O prazo de compensação dos dias será de até seis meses. Bem que o blog dos Correios podia ser menos parcial e colocar todas as informações para manter a todos BEM informados.

    Abraço

  16. roberto disse:

    que vergonha nos deu o tst e a ect.

  17. daniel disse:

    É, valeu pela esmola. deve ter quase quebrado a empresa por esse aumento!

  18. Cris disse:

    Os Correios tinham proposto reajuste de 5,2%, mas a ministra Kátia Arruda, relatora do processo de dissídio ajuizado pela empresa, aumentou o percentual, para “preservar MINIMAMENTE o poder aquisitivo dos trabalhadores”.
    O presidente do TST, João Oreste Dalazen, ressaltou que os empregados dos Correios têm um dos salários mais baixos entre todas as empresas públicas federais. “Há uma falta de atrativos na carreira que não podemos perpetuar”.
    Precisa de mais comentários?!

  19. Daniel disse:

    É uma vergonha mesmo.
    Resultado: Trabalhador INSATISFEITO.
    Agora mesmo estou estudando pensando em cascar fora dessa empresa…

  20. Eduardo disse:

    Quem diria, até Ministro do TST reconhece que a Empresa de Correios tem os salários mais baixos entre as Estatais, apesar do Monopólio Postal!

  21. Cheio esperança disse:

    Ministério Público do Trabalho diz que greve dos Correios não é abusiva, mas que dias parados deverão ser compensados;
    Em decisão unânime, greve dos Correios não é considerada abusiva pela Seção de Dissídios Coletivo (SDC);
    Aumento de 6.5% é aprovado por unanimidade pela SDC;
    Cláusula sobre assistência médica e odontológica foi mantida com proposta de constituição de uma comissão paritária para discutir benefício;
    O limite máximo de reembolso para os dependentes com necessidades especiais passa a ser de R$ 651,00 por decisão unânime;
    A gratificação de quebra de caixa passa a ser de R$159,84 e R$ 213,12;
    Horas extras, percentual de 70% mantido;
    Reembolso de creche e babá terá limite máximo de R$ 409,97;
    Valor de vale refeição passa a ser de R$ 26,62;
    Valor do vale cesta passa a ser de R$ 149,10;
    Valor do crédito extra (peru), que a ECT não queria conceder, passa a ser de R$ 612,26;
    Valor do vale-transporte passa a ser de R$ 594,68;
    Sob pena de efetivar-se o correspondente desconto salarial haverá compensação dos dias parados no prazo de 6 meses com observância dos intervalos inter e intrajornadas e repouso semanal remunerado. No caso de um empregado se recusar imotivadamente haverá desconto salarial;
    Retorno ao trabalho: fica decidido o retorno imediato ao trabalho nos primeiros horários do dia 28/09/2012, conforme a respectiva escala.

  22. Triste e envergonhada disse:

    Infelizmente o ditado que a corda só arrebenta do lado mais fraco é a pura verdade, se o dissidio do ano passado tinha validade de dois anos como destruiram o mesmo na justiça e conseguiram piorar o que ja estava ruim, agora valendo por quatro anos, o ano que vem CORREIOS faça novamente ir parar na justiça e um dia não muito distante ficaremos sem aumento salarial até chegarmos a recebermos um salário minimo, pois menos a justiça não aprovaria. Fico envergonha de dizer a minha filha que trabalho para uma empresa onde não somos valorizados.
    Que essa palhaçada nos sirva de lição para que possamos estudar e sairmos antes que o barco afunde de vez em nossas cabeças, pois se hoje esta assim e cada ano que passa só piora as coisas como podem conferir acima, pensem no futuro quando aposentarem, vamos precisar pedir esmolas pois o ticket tambem sera retirado, acordem eu acordei e vi que a luta não acabou, e que tenho um longo caminho de estudos pela frente pois quero que minha familia tenha orgulho de mim, e la na frente quero poder dizer que não curvei a cabeça e aceitei esmolas e migalhas pelo meu suor.

  23. lulu disse:

    A ECT não poderia dar R$ 80 linear pois quebraria a empresa… O aumento de 5,2 para 6,5 equivale aos R$ 80… Então, a ECT vai quebrar (?)…

  24. divino disse:

    Mais uma vez todos saíram perdendo com esta greve, os funcionários e a população. Indignação esta é a palavra que tenho a dizer, pois foram necessários meses e meses de negociação que não levaram a nada, e no fim o que mudou foi 1,02 % sobre a proposta inicial, lamentável.

  25. carlos alexandre disse:

    Senhores ministros devemos repensar será que essa moedinha não vai fazer falta pra ECT. Mais uma vez a justiça foi feita, pelo menos para os interesses da empresa

  26. Jota Caldas disse:

    Ao acompanhar a relatora, o presidente do TST, ministro João Oreste Dalazen, fez menção aos baixos salários pagos pela empresa, um dos salários mais baixos de todas as empresas públicas federais, disse o ministro, lembrando que o piso da categoria é de R$ 942,00.

    Para o presidente, a ECT deveria tomar a iniciativa de melhorar as condições salariais dos empregados, principalmente levando em conta os lucros apresentados, mais de R$800 milhões no último ano, lucros que poderiam ser compartilhados com seus empregados.

  27. Nicomaniaco disse:

    Grande aumento!

  28. PALHAÇO BOZO disse:

    VALEU, SENHORES JUIZES, POR AJUDAR A EMPRESA A SUGAR ATÉ A ULTIMA GOTA DE SANGUE DOS FUNCIONARIOS. COLEGAS , VAMOS ENTRAR EM UM PROCESSO COLETIVO CONTRA O CORREIO NA JUSTIÇA COMUM.

  29. Lua disse:

    Pena que a agora a ECT vai a Falência já que ela não podia dar nada a mais dos 5,32 % .

  30. Paulo disse:

    Vergonha de esmola.

  31. valdinei disse:

    Ao acompanhar a relatora, o presidente do TST, ministro João Oreste Dalazen, fez menção aos baixos salários pagos pela empresa, um dos salários mais baixos de todas as empresas públicas federais, disse o ministro, lembrando que o piso da categoria é de R$ 942,00.

    Para o presidente, a ECT deveria tomar a iniciativa de melhorar as condições salariais dos empregados, principalmente levando em conta os lucros apresentados, mais de R$800 milhões no último ano, lucros que poderiam ser compartilhados com seus empregados

  32. Sousa disse:

    Falou q nao podia pagar o 80 mas pode pagar 6.5 ai chora agora corre io

  33. Dia 30 ao meu ver está comprometido

    Os ministros decidiram, ainda, que não serão descontados os dias parados, mas foi determinado que os trabalhadores deverão compensá-los, em até seis meses, com observação dos intervalos intra e inter jornada, e do descanso semanal remunerado.

  34. Tissiana disse:

    Deveriam ser feitos mutirões todos os dias, afim de acabar com os atrasos. Tenho microempresa e sofro com os atrasos ocorridos nos correios, e a partir de agosto ainda abaixaram a taxa de indenização de 100% para 20% do PAC. Falta de respeito total com os clientes, não é mesmo?

  35. geraldo viturino da silva disse:

    È obvio e de um raciocinio do ponto de vista economico que a empresa nao iria ceder diante daquilo que lhes era proposto como fundamento de argumentação de negociaçao do acordo coletivo.A empresa tem uma meta a ser cumprida ate 2020 que adequar alguns beneficios a realidades das empresas privadas como um todo,e fazer com que algumas clausulas de acordos coletivos deixem de existir na pratica.Dentro do processo de mudança proposta´pela nossa presidente a razao social da empresa é a questao maior a ser descutida e modificada,mas,isto so sera feito aos poucos de uma forma gradatica para nao causar um impacto muito grande aos trabalhadores que ja estao acostumados como este modelo.Esta é a minha visao acho que os correios para se r uma empresa de classe mundial como é visao da empresa tera que se adequar a uma serie de mudanças,ajustes e benfeitorias.

  36. Edson Ottequir disse:

    Apesar do aumento insignificante este ano os correios não vão ter lucro com a greve, pois neste acordo esta bem esclarecido que dias de repouso não se recupera, como foi a vergonheira do ano passado, que até as horas de repouso tivemos que recuperar.

  37. Nivaldo disse:

    Torrei meus 6,5% de aumento ontem, comprei meia dúzia de pães.

  38. Nivaldo disse:

    A liberdade de expressão permite escrever(dentro dos padrões morais/éticos), mas não garante que será publicado. O reajuste na verdade foi de 1,3% que vem a ser a diferença entre as perdas de 5,2 deduzidas de 6,5 concedido de reajuste. Só resta torcer para que o valor se sustente por um bom tempo(para isso vamos precisar que ocorra uma deflação), embora a previsão de inflação para setembro seja de 0,48% e em agosto tenha sido de 0,41, o que já dá quase 1%, sobrando portanto pouco mais de 0,5% que deverá ser corroído em outubro. Ai vão os valores dos reajustes aprovados:

    6,5%

    VALE-EXTRA NATAL R$ 612,26

    VALE-ALIMENTAÇÃO R$ 26,62 CADA

    VALE-CESTA R$ 149,10

    PLANO DE SAÚDE MANTIDO

  39. Atendente Se disse:

    Bom foi assistir ao vivo os ministros irritados com a falta de capacidade de gerenciamento dos Correios, inclusive citou como a empresa pública com menores salários e sem atrativos!!!!!!! A relatora no final em relação aos dias parados citou “a renumeração deles já é tão baixa” voto em não descontar e sim compensar!!!!!!! Parabéns aos gestores dis Correios!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  40. Gilmar disse:

    Retorno ao trabalho com gosto de vitória!!!!!!Correios cuide de seus funcionários,que,são os seus maiores patrimônios. Patrimônio esse que é, o carro chefe, a grande representatividade da empresa frente á seus milhões de clientes, Patrimônio que, atende bem, que trata com qualidade e entrega na hora certa e com prazer. Salário digno e condições de trabalho adequados é o minimo que os correios deve oferecer aos mais de 100.000 funcionários.Obrigado Sr.ministros do TST.

  41. Marco Aurélio Antunes disse:

    Quem ganha mais deve ter ficado satisfeito. No entanto, para quem ganha menos, seria mais vantajoso se fosse concedido também um reajuste linear, mesmo que houvesse redução no proporcional.

    Vamos imaginar duas propostas:
    P1 – Proporcional de 3% e linear de R$ 80,00;
    P2 – Proporcional de 6.5%.

    Os valores do aumento de acordo com a faixa salarial seriam estes listados abaixo.

    - Salário de R$ 1.000,00:
    P1 = R$ 110,00
    P2 = R$ 65,00

    - Salário de R$ 2.000,00
    P1 = R$ 140,00
    P2 = R$ 130,00

    - Salário de R$ 4.000,00
    P1 = R$ 200,00
    P2 = R$ 260,00

    - Salário de R$ 8.000,00
    P1 = R$ 320,00
    P2 = R$ 520,00

    Sem aumento linear, a proporção entre os maiores e os menores salários não se altera. Já o aumento linear reduz a desigualdade, que é bastante acentuada. Todos devem ganhar aumento proporcional, até porque houve inflação no período. No entanto, seria mais justo haver aumento proporcional e também linear.

  42. Marcos Sales Carreiro disse:

    É nem tudo esta perdido,poderiamos manter a greve o sindicato pode pedir revisão do dicidio e cancelar a multa e a briga poderia ser decidida no STF pois ao acompanhar a relatora, o presidente do TST, ministro João Oreste Dalazen, fez menção aos baixos salários pagos pela empresa, um dos salários mais baixos de todas as empresas públicas federais, disse o ministro, lembrando que o piso da categoria é de R$ 942,00.

    Para o presidente, a ECT deveria tomar a iniciativa de melhorar as condições salariais dos empregados, principalmente levando em conta os lucros apresentados, mais de R$800 milhões no último ano, lucros que poderiam ser compartilhados com seus empregados.

  43. Wilson disse:

    Nossa sorte ainda que fomos tratados como miseraveis pelos magistrados,caso contrario seria descontado até os minutos parados.

  44. Regiane disse:

    E quanto à contratação de mais 30.000 funcionários, o que ficou decidido?

  45. Agatha. disse:

    Enquanto meia duzia de empregados irresponsáveis desencadeiam uma greve que 10 % dos empregados da maior empresa pública do Brasil paralisam parte da nação. Nós, usuários dos Correios, somos obrigados a assistir de camarote que nossas encomendas sejam tratadas com atraso e desrespeito.

    Vamos acabar com essa situação vergonhosa. Vamos privatizar esta empresa. Tenho certeza que com metade do efetivo, poderia se administrar e operacionalizar essa empresa com muito mais qualidade nas atividades.

    Vamos demitir todo esse pessoal que não quer trabalhar.

    Chega que fazer os clientes e o povo brasileiro pagar por incompetência tanto na administração quanto nas atividades diárias dos Correios.

  46. fred lemos disse:

    Resolve alguma coisa o TST reconhecer que a ECT poderia pagar 8% de reajuste sem perigo de quebrar a empresa?
    O reconhecimento não vai cobrir o reajuste que os pais de família tiveram com a escola de seus filhos, por exemplo.
    A VERDADE É QUE OS TRABALHADORES ESTÃO PAGANDO PELA DESASTRADA MUDANÇA DE PARCERIA NO BANCO POSTAL!!!!
    ESSA QUE É A VERDADE!

  47. Sampaio disse:

    É verdade! Todos reconhecem que das estatais a que paga menor salário aos seus empregados é a ECT. No entanto, não vejo por parte da empresa e dos órgãos competentes ações voltadas para alavancar os nossos salários. Nós empregados da ECT pensávamos que com a implantação do PCCS as distorções entre maior e o menor seriam corrigidas, o que não aconteceu. Esperávamos que no dissídio pudessemos angariar coisa melhor, o que também não aconteceu. Então meus amigos, estamos entregues a própria sorte, estamos remando contra mare. O reconhecendo do TST em relação ao salário veio em boa hora e no lugar certo, no entanto, os nossao representantes, que diga-se de passagem são muitos fracos, não souberam conduzir e nem se impor perante as argumentações ridículas da empresa e o resultou foi o que todos já sabiam, um fiasco para os trabalhadores ou melhor dizendo, para as pessoas que vestem a camisa da ECT todos os dias, que dão sanque e estão disponíveis 24 horas para a ela. Como empresa pública, penso que nossos dirigentes deveriam começar a pensar de outra forma, principalmente no tocante a valorização de seu maior patrimônio, pois merecemos remunuração dígna que possa compensar todas as nossas expectativas no campo social.

  48. Atendente da CAC disse:

    Para o próximo ano a FENTEC, bem como, os sindicatos da qual a mesma é formada poderia mobilizar a opinião pública em prol de um aumento digno, pois no Brasil somente a pressão funciona. Faltou organização… e nós saímos perrdendo.

  49. Direto ao Ponto. disse:

    Essa turma de empregados que está entrando agora está “pegando” a pior fase da empresa nesse seus mais de 40 anos de existência. E, pelo que puder observar, a maioria tem pouca idade, já está com o superior completo, pós-graduado, e já esperando alguma coisa no mercado de trabalho. O que chamam de Geração Y.

    Será que a ECT, fará alguma coisa para reter esses talentos em nossa empresa? Pq, entrando agora, e vendo que a situação está “complicada”, duvido que a maioria fique na ECT. Com ministro do TST admitindo publicamente que os Correios pagam os menores salários das estatais, fica pouco provável diminiur a rotatividade de pessoas. Ficam somente os acomodados e os que “ainda” não conseguiram outra coisa melhor. Enquadro-me na 2ª opção.

    Ou, pensando melhor, será que interessa para a ECT (digo seus “donos”) que tenhamos nos Correios pessoas instruídas, formadas? Ou é mais cômodo apenas meros coadjuvantes sem instruções e formações maiores, mais fáceis de alienar e manipular?

    A revolução tem de começar dentro de nós mesmos. A empresa, seus gestores superiores, vão estranhar quando não fizermos mais greves e passeatas, quando enxergarem que não nos manipulam mais, que somos independentes e não dependemos dela nem do Estado para sermos um profissional de sucesso!

    Esqueça o modelo Keynesiano de governo. O Estado, os Correios, não devem interferir demais na economia, muito menos bancar vc, nem pagar suas contas. O responsável é você mesmo, inclusive pelo seu sucesso. Resumindo, o Estado nem deveria comandar estatais, pois nem competência para administrar ele tem. Só deveria fiscalizar. Isso é fato.

    Estude, se (in)forme. Mude seus conceitos e verá que a Empresa, nem o Estado, são obrigados a fazer absolutamente nada por você, mas que vc mesmo é o maior responsável pelo seu sucesso e bem-estar. Com essa postura, no dia em que isso aqui estiver na mão da iniciativa privada, vc conseguirá sobressair. O contrário dos que “se encostam” nos Correios. Sem citar nomes, claro!

  50. Rosa disse:

    SALÁRIO BASE INICIAL = R$ 1,004,02.
    VALE ALIMENTAÇÃO REFEIÇÃO 23 VALES = R$ 612,26 e 27 VALES R$ 718,74 OU SEJA R$ 26,62 POR DIA.
    VALE CESTA R$ 149,10.
    REEMBOLSO BABÁ/CRECHE R$ 409,97.
    AUXILIO P/DEPENDENTES DE CUIDADOS ESPECIAIS R$ 650,73.
    CRÉDITO EXTRA (VALE) EM DEZ/2012 PARA OS ADMITIDOS ATÉ 31/07/2012 DE R$ 612,26.
    E PLANO DE SAÚDE.

    GENTE PELO AMOR DE DEUS NE SEI QUE CADA UM TEM QUE CORRER ATRAS DOS DIREITOS MAIS ME INDIGNO COM UMA SITUAÇÃO DESSA,MUITA GENTE VIVE COM SALARIO MINIMO SEM MUITOS DIREITOS E SEM PODER RECORRER A MUITAS COISAS E SEM TER MUITO DIREITO,ACHO ADMIRÁVEL A FORÇA Q TODA GALERA DO CORREIO TEM JUNTOS.MAS JÁ PARRAM PRA PENSAR EM QUANTAS PESSOAS TÃO PREJUDICANDO TAMBÉM,ACHO QUE OQUE FALTA EM MUITOS GREVISTA E PENSAR NA POPULAÇÃO DEPENDENTE DOS SERVIÇOS DELES TAMBÉM,GREVE SIM CONSIENCIA ACIMA DE TUDO…

    • Alessandro disse:

      Concordo. simples, os insatisfeitos já que tem conhecimento da logistica peçam demissão da ECT, abram um empresa e fazem concorrência com a ECT, assim vocês parariam de chorar de barriga cheia, dariam vagas a quem realmente precisa e quer trabalhar, porque ao fazerem concurso vcs ja sabiam de todo histórico da ECT, e com a empresa aberta vcs estariam satisfeitos pq quem daria o aumento pra vcs seriam vcs mesmos.

      Agora tem um pessoal que fica olhando quanto que a empresa fatura 800 milhoes e tal pra querer participação de lucros… quer ter lucro tenta a sorte em abrir uma empresa e gerar empregos, assim vc vai poder crescer o olho no que realmente é seu.

      Ta insatisfeito? Mete o pé, vaza, faça algo por vc mesmo que não prejudique os outros.

    • lorena roque disse:

      concordo com voce rosa e inclusive a pessoa tem que ver o salario antes porque não adianta ficar reclamando depois

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>