Com erro zero, Correios conclui operação do Enem 2017

Os Correios foram os responsáveis por toda a distribuição das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 em uma megaoperação logística com erro zero. O trabalho abrangeu 1.750 cidades do Brasil e envolveu as seguintes etapas: armazenamento; transporte de interiorização; distribuição; coleta e logística reversa (retorno do material para processamento e correção).

Um dos desafios enfrentados pelos Correios foi a entrega de 35 mil malotes em uma janela de três horas (entre 8h e 11h), passando por todos os Estados e percorrendo 350 mil quilômetros pelo país para cada um dos dias de operação, ou seja, 70 mil malotes ao todo. Para toda a operação, foram utilizadas 45 aeronaves e 42 carretas, além de mais de 13 mil pessoas envolvidas diretamente na distribuição e coleta dos malotes. Os atendimentos especializados também devem ser considerados, como a entrega de provas em hospitais e casas.

O Enem desse ano trouxe duas novidades: a prova passou a ser  personalizada, com identificação do nome e número de inscrição, e foi realizada em dois domingos consecutivos, sendo a primeira prova aplicada em 5 de novembro e a segunda no dia 12. Antes os exames eram realizados em dias consecutivos, sábado e domingo. Além disso, o exame deixou de certificar o ensino médio, função que voltou ao Encceja. Como cerca de 15% dos participantes faziam o Enem com esse objetivo, as inscrições confirmadas caíram de 7.603.291, em 2016, para 6.731.344, em 2017.

As provas foram aplicadas em 182.339 salas e distribuídas em 12.432 locais de avaliação. No total, foram mais de 14 milhões de provas impressas que somam 467,2 milhões de páginas.

O Enem 2017 em números:

6,7 milhões
Número de inscritos confirmados no Enem. Exatamente: 6.731.344

600 mil
Pessoas mobilizadas para a organização do evento

467,2 milhões
Páginas usadas para imprimir os cadernos de questões

12.432 locais de prova
Em 1.750 cidades diferentes

23 mil agentes
Para fazer a segurança no transporte e nos locais de prova, dentre órgão de segurança pública, Correios, aplicadores etc.

R$ 589 milhões
Gasto estimado para a realização das provas neste ano


Esta entrada foi publicada em Negócios e Mercado e marcada com a tag , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

4 respostas a Com erro zero, Correios conclui operação do Enem 2017

  1. Thiago disse:

    Parabéns, que bom que correu tudo bem com a distribuição das provas do enem. E com as encomendas que estão atrasadas e o rastreamento não atualiza há dias, o que ocorre?

  2. VANDA CÁCERES GONÇALVES disse:

    O Correio oferece esse péssimo atendimento e vocês proíbem a reclamação. É só o que falta em nosso país. Entendi que a “moderação” exigida é não reclamar.

  3. Zé Solução disse:

    O Correio deveria trabalhar apenas para o governo e passar toda logística do E-Comércio para as empresas que tem experiência, confiabilidade e respeito aos clientes, afinal o E-comércio movimenta muita grana, para essas encomendas viverem jogadas ao descaso nos entulhos dos correios, uma empresa que só prestou até uns 50 anos atrás quando era meramente uma dadora de recados e suas agencias eram apenas correspondentes do SILVIO SANTOS do Baú da Felicidade.

  4. FLAVIA DINIZ disse:

    Correios!! Um lixo de serviço oferecido aos brasileiros, atrasos grandes na logísitca e entrega das mercadorias, incapacidade de atender a demanda ( principalmente após a parceria com o mercado livre), mercadorias paradas há dias, não possuem capacidade de fazer atualizações nos rastreamentos das encomendas, além disso não disponibilizam um Telefone operando para atendimento ao consumidor. Total descaso, de uma empresa ruim, empresa pública sim, mas ainda uma empresa, que deve prestar um serviço de qualidade ao seu cliente-consumidor, mas está muito longe disso, deveria sim ser privatizada, pois está claro sua incapacidade operacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.