Correios celebra 355 anos e o Dia do Carteiro

Nesta quinta-feira (25), os Correios comemoram 355 anos de serviços postais no Brasil. Nada mais natural que a trajetória dessa gigante da logística se confunda com a história do país e do seu profissional sinônimo de Correios: o carteiro, também celebrado no dia de hoje. A data resgata a memória da criação, em 25 de janeiro de 1663, do Correio-Mor no Brasil, cujo primeiro titular foi Luiz Gomes da Matta Neto, que já era o Correio-Mor do Reino, em Portugal.

No entanto, o serviço de carteiro, tal como é conhecido hoje, somente teve início no país, no período da Regência, no século XIX. O passo inicial para que isso ocorresse foi dado por Paulo Bregaro, considerado o primeiro carteiro do Brasil. O mensageiro entregou a D. Pedro I, no dia 7 de setembro de 1822, correspondência da Imperatriz Leopoldina informando sobre novas exigências de Portugal. Ao recebê-la, às margens do Riacho do Ipiranga, D. Pedro reagiu às imposições da Corte e declarou no ato a Independência do Brasil, associando assim os Correios a um dos mais importantes momentos brasileiros. Por seu feito, Paulo Bregaro é o patrono da empresa.

Desde então, faça chuva, sol, calor ou frio, os cerca de 57 mil carteiros cruzam o país de norte a sul para entregar 8,3 bilhões de objetos por ano. A pé, de bicicleta, carro ou barco, eles percorrem juntos, diariamente, mais de 900 mil quilômetros para representar a única instituição presente nos 5.570 municípios brasileiros. São quase 24 voltas completas ao redor da Terra em um único dia de trabalho.

Entregas de cidadania

Nessas andanças diárias – que ampliam o olhar do carteiro – a rota, muita vezes, ganha outros contornos. Entre uma campanha e outra, as vozes da comunidade sensibilizam àqueles que desejam ser mensageiros de boas notícias. Foi assim com o carteiro Gilson Vieira Machado, profissional de Águas Claras, no Distrito Federal. Ele conta que a profissão influenciou na atuação como conselheiro de saúde na regional de Samambaia.

“Durante a minha caminhada, eu percebo muitas pessoas reclamando do sistema de saúde, dizendo que está um caos, que não tem médico, nem remédio. Então, fiquei sabendo que existia o conselho de saúde, o que me levou a querer ajudar mais a sociedade e a minha cidade” explicou. O trabalho é voluntário, sem remuneração. O conselho é formado por usuários, trabalhadores e gestores do Sistema Público de Saúde e se reúne uma vez por mês para tratar de questões relacionadas à área, como projetos sociais, aplicação do dinheiro, compra insumos e materiais hospitalares.

Os carteiros também são responsáveis pela difusão de importantes campanhas de conscientização da população e promoção da cidadania, como a de incentivo ao combate à dengue, aleitamento materno, doação de sangue e de medula óssea. Outra ação de caráter social que envolve os empregados e que tem tido grande receptividade é o Papai Noel nos Correios. Durante a campanha, realizada desde 1989, os presentes das cartinhas adotadas são entregues por carteiros ou outros empregados dos Correios em regiões carentes nos grandes centros urbanos

#EuAmoSerCarteiro

Seja pelo contato com as pessoas, seja pela satisfação de serem úteis à população, os carteiros colecionam histórias emocionantes que os fazem orgulhosos de sua profissão. Confira abaixo depoimentos de carteiros de todo o Brasil contando porque amam o seu ofício:

 


Esta entrada foi publicada em Institucional. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

2 respostas a Correios celebra 355 anos e o Dia do Carteiro

  1. Nadia Lamas disse:

    Essa empresa ainda funciona? Me parece que não, dada a imensa quantidade de objetos que estão parados em Curitiba, depois de liberados pela RF. Existe um prazo para entrega que está sendo solenemente ignorado – e vejam que é um prazo bastante longo, de 45 dias! A mercadoria leva muito mais tempo para vir de Curitiba até o Rio do que levou da China, por exemplo, até Curitiba. Difícil de entender, difícil de explicar. O chinês só recebe o $ dele depois que eu acuso o recebimento aqui, o que não está acontecendo. Assim, depois de rebaixados pelas agências internacionais de crédito, vamos acabar também sendo eliminados do mapa de entregas mundiais, a exemplo do que já ocorre com países com estrutura de transporte precária, países em guerra, conflitos etc. A Ouvidoria da ECT nada resolve. Fiz algumas queixas, esperei o tempo necessário e recebi como resposta que os objetos (todos com código de rastreio) tinham sido extraviados. Dias depois, com espanto, recebi as mercadorias “extraviadas”. Ou seja, ninguém rastreia nada, ninguém tem controle de nada! Não bastassem as encomendas paradas em território nacional, também deixei de receber duas correspondências enviadas dos EUA (respectivamente de NJ e MO, em outubro do ano passado). É lícito, portanto, afirmar que 100% da minha correspondência foi extraviada, o que é um absurdo. Creio que já passou da hora de dar lugar a uma empresa que saiba, esteja disposta e tenha condições de executar serviços de que vocês claramente não têm competência para prestar.

  2. Portugal disse:

    Apesar de também ter tido problemas com entrega dos correios, sei do grande trabalho que prestam.
    Fica aqui meus parabéns pelos 355 anos! Não fazia ideia!
    Marcos Portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.