Mais 263 distritos contam agora com serviços postais básicos

Moradores de 263 distritos em todo o Brasil, com população igual ou superior a 500 habitantes e que não tinham acesso a serviços postais básicos, passaram a contar com o trabalho dos Correios em 2014. Para atender esse público a estatal abriu no ano passado novas agências de Correios Comunitárias, que funcionam em parceira com órgãos públicos municipais.

Atualmente, os Correios levam o atendimento postal básico a 3.675 localidades com esse perfil. Alguns dos serviços oferecidos são o recebimento e entrega de cartas, cartão postal, impresso simples ou registrado, além dos serviços de encomenda e telegrama.

Essa expansão faz parte das metas de Universalização de Atendimento dos serviços postais básicos, estabelecidas pela Portaria 566/2011 do Ministério das Comunicações, que é chegar a 4.261 distritos. Por meio da abertura de agências em pequenos distritos, os Correios também contribuem com o desenvolvimento econômico e social da localidade, estabelecem condições básicas de cidadania e proporcionam aos cidadãos acesso aos serviços postais e políticas públicas — em muitas localidades a estatal é o único ponto de contato entre a população e o governo.


Esta entrada foi publicada em Institucional e marcada com a tag , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

4 respostas a Mais 263 distritos contam agora com serviços postais básicos

  1. JOCELIO PEREIRA disse:

    Agora só falta entregar no prazo

  2. A quem interessa essa quebra de prazo? Uma sinalização de que a privatização vai tomar este procedimento uma arma para desqualificar nossa empresa.

  3. Mineiro disse:

    Uma coisa que gostaria de saber – e entender – é porque o repasse mensal para as prefeituras pela prestação de serviços (muitas vezes precários e contestáveis) por cada AGC praticamente “dobrou”, quase 100% de aumento, saindo de pouco mais de R$ 700,00 para quase R$ 1.400,00 de 2013 para 2014.

    Numa conta básica, seria 3.675 X 1.400 = aprox. R$ 5.000.000,00. Isso mesmo, 5 MILHÕES POR MÊS, ou ainda, 60 MILHÕES POR ANO !!!!!!!

    O que motivou isso? Qual base de dados foi usada para subsidiar informações para esse aumento de repasse tão “generoso” aos nossos prefeitos? Considerando que a inflação gira em média de 6 a 7% a/a…

  4. Correios disse:

    Mineiro,

    O valor do repasse às agências comunitárias não era reajustado desde 2010. Em 2013, o valor foi atualizado com base no investimento para instalação e no custo mensal para manutenção de custo de uma agência unipessoal — que na ausência de uma comunitária, teria de ser instalada e mantida para cumprimento das metas de universalização estabelecidas em lei. A atualização do valor ocorre anualmente, em janeiro, pela variação do índice INPC/IBGE. Salientamos que embora o valor seja repassado às prefeituras, por meio de convênio, destina-se exclusivamente à manutenção da agência comunitária, sendo vedado ao gestor municipal sua aplicação em outras finalidades.