Esclarecimento sobre artigo publicado na Gazeta do Povo

Em resposta ao artigo de Luan Sperandio, publicado na Gazeta do Povo nessa quarta-feira (24), os Correios vêm a público esclarecer algumas inverdades:

De acordo com o texto, entre 2012 e 2016, “as estatais brasileiras tiveram um prejuízo da ordem de R$ 33 bilhões , que foram arcados com dinheiro do Tesouro Nacional”. O autor esquece ou simplesmente omite a informação de que, entre 2007 e 2013, os Correios repassaram à União, a título de antecipação de dividendos, o equivalente a mais de R$ 6 bilhões, valor este maior que o prejuízo acumulado dos últimos anos. Não se sabe se, intencionalmente ou não, o artigo também não esclarece que os Correios são uma empresa independente do Tesouro Nacional, ou seja, quando apresenta prejuízo, recorre a empréstimos pagos com recursos próprios, não onerando o bolso do contribuinte por meio de impostos.

Alega o autor, ainda, que os Correios foram protagonistas de diversos escândalos de corrupção no passado, mas ignora que tais casos foram esclarecidos à época e hoje a empresa é referência em governança entre as estatais.

Sobre a ingerência política, mais uma vez, o artigo apresenta dados antigos, que não condizem com a realidade atual dos Correios. A empresa está passando por uma evolução em sua estrutura organizacional: em lugar de oito vice-presidências, como citado, agora os Correios possuem seis diretorias.

Sobre outro motivo elencado no texto pelo qual o governo deveria privatizar a empresa, ineficiência, o autor revela falha grave na apuração dos fatos. Conforme amplamente divulgado, desde o ano passado a qualidade operacional dos Correios vêm mantendo índices superiores, inclusive, aos de operadores postais privados mundialmente conhecidos, chegando a 99% de entregas de encomendas realizadas dentro do prazo contratado. Cabe aqui esclarecer que, apenas no segmento concorrencial, os Correios entregam diariamente mais de um milhão de objetos. Se considerarmos o fluxo total, são mais de 22 milhões por dia.

De maneira inversamente proporcional, o número de reclamações caiu diante do aumento da qualidade. No 1º trimestre de 2019, houve redução de 72% na quantidade de manifestações nos canais oficias de atendimento da empresa, sobre objetos nacionais e internacionais, em relação ao mesmo período do ano passado.

Medidas como a desativação de agências sombreadas e o programa de demissão incentivada foram adotadas para reduzir custos e melhorar o caixa da empresa e não foram realizadas de maneira isolada. Ao contrário, o encerramento de atividades em algumas unidades convencionais de atendimento faz parte de um projeto mais amplo, o de remodelagem da rede, que visa ampliar o número de canais de atendimento à população com modelos mais modernos e adequados às diversas realidades regionais.

Em relação à cobrança do despacho postal para encomendas internacionais, exaustivamente explicado, não se trata de medida arbitrária, conforme afirma o artigo. Refere-se à justa remuneração aos Correios pela prestação de serviços de suporte ao tratamento aduaneiro. Cabe destacar que tal cobrança já é praticada há muito tempo por operadores privados do setor no Brasil e que o valor praticado pelos Correios é, na média, quatro vezes menor que o dos concorrentes.

Se no segmento de encomendas, o mercado é concorrencial, a exclusividade postal do Estado ainda é uma realidade para a grande maioria dos correios no mundo. Em países de extensão territorial comparável à do Brasil, como Estados Unidos, China, Canadá, Rússia e Austrália, eles são públicos e exercem o importante papel de integração nacional.

A privatização pura e simples do correio brasileiro será uma perda tanto para o país quanto para a sociedade. Apenas em poucos países, todos de dimensões reduzidas, o serviço postal está nas mãos da iniciativa privada. A DHL, por exemplo, é resultado de uma política pública de capitalização do correio da Alemanha. Em vez de privatizar o correio alemão, o governo optou por capitalizá-lo e fez uma abertura parcial de capital – o controle continua com o governo.

Em contrapartida, a privatização do correio de Portugal, assim como da Argentina (que teve que ser reestatizado, porque a privatização piorou os serviços), não trouxe os resultados positivos tão desejados.

Falar sem conhecer o universo complexo que envolve os Correios, usando argumentos rasos e dados desatualizados é, no mínimo, irresponsável quando se trata de formadores de opinião que escrevem para um veículo de comunicação. O debate sobre o assunto deve ser feito de modo cuidadoso, consciente e sempre comprometido com a verdade.

 


Esta entrada foi publicada em Correios na midia. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

Uma resposta a Esclarecimento sobre artigo publicado na Gazeta do Povo

  1. Pingback: Os Correios não gostaram do texto pedindo a privatização. Minha resposta - Gazeta do Povo - VIP CEO