Espaço Correios é sucesso no Lollapalloza

Durante o festival de música Lollapalooza, que ocorreu de 29 a 31 de março, os Correios, patrocinadores do evento, ofereceram ações exclusivas em um estande especialmente desenvolvido para o evento. Entre os shows de grandes bandas do cenário internacional como Pearl Jam, The Killers, The Black Keys, Queens of the Stone Age e muitas outras, o público aproveitou uma série de atrações no Espaço Correios.

As caixas postais customizadas chamavam a atenção de todos que passavam pelo estande e o grande sucesso do Espaço foi a cabine fotográfica. As seis fotos 3×4 podiam ser uma lembrança do festival ou servir de selo personalizado para enviar, gratuitamente, um dos postais disponíveis com os temas do Lollapalloza. “Vim de Ouro Preto, passei aqui para mandar um ‘alô’ para o meu pai, que pediu notícias da viagem, e aproveitei para mandar um postal pra galera da república onde eu moro”, contou, animada, a mineira Cinthya Menaghin, recém-chegada ao evento após dez horas de estrada. Já o “Correio Elegante” – cartões com mensagens criativas – provocou muitas risadas dos que passaram pelo local.

O Espaço recebeu, ainda, a visita de jovens atletas do Brasil, como o nadador Thiago Pereira; os jogadores de polo aquático Mirella e Gustavo Coutinho; a maratonista aquática Ana Marcela Cunha; e a revelação do handebol brasileiro, Arthur Patrianova, entre outros.

Ações de patrocínio como esta valorizam e divulgam a marca da empresa. O espaço no Lollapalooza promoveu uma oportunidade para reforçar junto ao público jovem a oferta de serviços e produtos que, embora contemporâneos e populares, resgatam a tradição postal — em 2013, os Correios estão comemorando 350 anos.

Para conferir os melhores momentos do Lollapalooza 2013 e algumas histórias do público, acesse a página oficial dos Correios no Facebook.


Esta entrada foi publicada em Patrocínios e marcada com a tag . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

30 respostas a Espaço Correios é sucesso no Lollapalloza

  1. Rodrigo disse:

    http://WWW.CLAUDIOHUMBERTO.COM.BR (31/3)
    Patrocinado pelos Correios, show em festival faz apologia ao uso de drogas
    Sob o patrocínio de empresas como a estatal Correios, o festival Lollapalooza Brasil 2013, em São Paulo,
    exibiu esta noite, em vários telões gigantescos, um vídeo em que um sujeito fez a defesa do uso de drogas,
    argumentando inclusive que “não tem nada de mais” alguém portar 80g ou 100g de entorpecentes “para
    consumo próprio”. Tratava-se de Jaime Gil da Costa, o “Away”, ex-integrante do grupo de humor Hermes e
    Renato, conhecido ativista pelo consumo de drogas, e o vídeo fez parte da apresentação da banda. O canal
    Multishow, um dos promotores do Lollapalooza, que transmitiu tudo ao vivo, mostrou a imagem sorridente
    do vocalista Marcelo D2, da banda Planet Hemp, conhecida por fazer apologia ao uso de maconha, prestes
    a iniciar seu show, assistindo a exibição do vídeo. Em declínio, o grupo não se apresentava na capital
    paulista há dez anos, e iniciou o show desta noite cantando “Legalize Já”. O tema da maconha, cujo odor
    podia ser sentido entre o público, voltou a ser ressaltado durante “Queimando Tudo”, com um vídeo da
    dupla de humoristas norte-americanos Cheech e Chong, que fizeram sucesso nos anos 1970 e 80 com
    filmes sobre o assunto. Em “Quem Tem Seda?”, referência ao papel utilizado para fazer o cigarro de
    maconha, o público acompanhou acendendo isqueiros e D2 fez uma espécie de oração.

  2. Fernando Ribeiro disse:

    E você trabalha numa empresa que patrocina um evento que faz apologia às drogas?
    Que feio, hein!

  3. Regina disse:

    Que triste ver nossa empresa apoiar um evento em que a droga é divulgada como se fosse uma coisa normal.

  4. Isabel disse:

    E nem por isso tudo que foi exposto acima, eu uso maconha! Usa substância psicotrópicas quem quer, não vai ser um filme, uma banda de rock, um programa que vai me levar a beber, drogar ou matar pessoas!

  5. Marcos Augusto disse:

    Nossa, pensar que os festivais se resumem a uma minoria usuária/defensora de de drogas frente a grande massa de gente que estava lá para curtir suas bandas favoritas é uma infame generalização. Este festival se apoia não na apologia às drogas e sim na livre expressão que fez este mundo girar novamente. Portanto, Parabéns, Correios, por ajudar a promover a livre expressão.

  6. Lia disse:

    Na verdade a droga se tornou “normal”, em grandes centros, basta olhar em volta as cracolandias e derivados,
    muita hipocrisia do nosso mundinho cor de rosa não ver isso, ou fazer de conta que não existe e pior .. que um evento, uma banda
    um filme, novela etc e tal vvai levar as pessoas a se drogarem, se droga quem quer e quem não tem opinião propria,
    se droga por “n” motivos e não pq um cantor falou pra se drogar, e se fizer isso pq fulano falou que é legal
    tem mais é que ….

    E não é O EVENTO que faz apologia as drogas, pelo que li e vi foram casos isolados, como alguem ja disse
    não podemos ficar generalizando as coisas.

  7. Renata Silva disse:

    Eu fui ao festival, e curti muito. Parabenizo os Correios por nos proporcionar esse evento e que venha mais.

  8. Rodrigo disse:

    No meu ponto de vista os Correios pode patrocinar o que bem entender, mas a partir do momento que a ECT patrocinou um festival no qual os participantes fazem a apologia ao uso de substâncias ilícitas o que entra em jogo é a imagem institucional da empresa. Qualquer um com conhecimento básico de administração de empresas sabe que não é bom ter o nome de sua empresa associada ao uso de entorpecentes, matança de animais, degradação do meio ambiente dentre outros. O patrocínio a este festival acabou se tornando uma propaganda negativa para os Correios.

  9. Rodrigo disse:

    A mesma resposta dirigida a Isabel serve para você: “No meu ponto de vista os Correios pode patrocinar o que bem entender, mas a partir do momento que a ECT patrocinou um festival no qual os participantes fazem a apologia ao uso de substâncias ilícitas o que entra em jogo é a imagem institucional da empresa. Qualquer um com conhecimento básico de administração de empresas sabe que não é bom ter o nome de sua empresa associada ao uso de entorpecentes, matança de animais, degradação do meio ambiente dentre outros. O patrocínio a este festival acabou se tornando uma propaganda negativa para os Correios.”
    Realmente a livre expressão deve ser incentivada, mas, neste caso, não por uma empresa pública. Está certo que os Correios não tinha como ter certeza do que seria apresentado no festival, mas se eu estivesse patrocinando um evento verificaria o prospecto para poupar de ver o meu nome ou de minha associado ao uso de drogas. Porque motivo os movimentos em prol a legalização do uso de entorpecentes não patrocinaram o festival e incentivaram esta livre expressão?

  10. Maria da Consolação Boaventura disse:

    O espaço foi uma oportunidade de demonstrar aos jovens produtos e serviços tradicionais dos Correios que encantam gerações. A boa música aliada aos bons serviços prestados pela ECT, com certeza agradou a grande maioria dos cidadãos que foram ao festival para se divertirem.
    Parabéns aos Correios!

  11. Fabricio disse:

    Gente… o festival é de música. O que uma banda canta, entre mais de 70 outras atrações, não pode ser considerado como a temática do evento.

    Concordo com o Marcos Augusto quando diz que o festival se baseia na liberdade de expressão.
    Concordo com a Isabel que também afirma não usar nada disso por conta da influência de terceiros.

    Sejamos menos dramáticos e mais realistas. O Lollapalooza é um sucesso mundial e tenho orgulho em saber que empresas dignas e confiáveis como são os Correios apoiam essas iniciativas, que dialogam com o bom senso e o respeito a todas as culturas.

  12. joão disse:

    Negativa pra meia duzia de pessoa, grande coisa

    Duvido que alguem pare de usar os serviços dos correios por isso..fala serio, qta hipocrisia

  13. claudio disse:

    Ta ai Lia, de pleno acordo, falam como se O festival fizesse apologia as drogas, quem foi viu que não era isso, os que estão criticando nem estavam la

  14. Mimi disse:

    É uma pena que a empresa patrocine tantos eventos e não valorize seus funcionários.

  15. Rodrigo disse:

    Realmente os Correios não precisam de propaganda negativa, pois a prestação dos próprios serviços, ultimamente, já são toda a propaganda negativa da qual os Correios precisa. Acho que você não deve saber o significado da palavra hipocrisia, pois no texto aposto acima, não há nenhuma manifestação de fingida virtude. Valores são aprendidos em casa e ética é algo que a pessoa possui ou não. Os Correios pode patrocinar o que lhe bem entender, mas deve ter em mente as consequências da sua inabilidade na escolha deste festival visto o histórico dos artistas que se apresentariam. Já não utilizo o serviço dos Correios e este festival somente corrobora o meu posicionamento. O consumo de drogas é o que financia a criminalidade, haveria menos violência se o consumo de drogas fosse severamente repreendido pelos orgãos de segurança.
    O que mais me impressiona é a ignorância e a falta de capacidade de raciocínio de algumas pessoas que fazem uso deste blog, pois criticas ajudam no processo de melhoria. Errar é possível para quem toma decisões, mas permanecer no erro é burrice.

  16. criticas disse:

    na vdd tem gente que só sabe criticar, fazer o q? concordo que os serviços
    dos correios ja não tem aquela qualidade toda, mas, deixar de usar o serviço dessa
    ou daquela empresa pq ela
    patrocinou um festival onde algumas pessoas faziam apologia as drogas, é MUITA
    ignorancia..fala serio.

  17. Daiana disse:

    O Sr. Rodrigo tá falando sério? Ele realmente acha que foi ruim pra empresa estar presente no festival? A empre estava se fazendo presente, mostrando a marca e oferecendo serviços legais.. A banda toca o que quer.. o Correios não precisa de defensores, mas super desnecessário alguns comentários, e hipócrita sim.. maconha usa quem quer, maconha nao era o tema do festival, apesar de ser tema de algumas bandas, algumas.. muita bobagem isso aí que estão falando..

  18. analice lessa disse:

    Perfeito!

  19. analice lessa disse:

    Quis dizer com o “Perfeito!” é que também parabenizo aos Correios pelo patrocínio ao festival Lollapalooza, grandioso evento com multiplas possibilidades de ação. Considero, que cabe a Patrocinadora constituir uma equipe criativa para identificar, cada vez mais, contrapartidas que denotem a seriedade da empresa no que tange às suas responsabilidades social/economica/ambiental/cultural… e outras que surgirem. Visitei no Face a página dos Correios vi alguma imagens iteressantes, mas, como assiti ao Festival pela TV e pela Internete (canal Multshow) senti falta da marca Correios.
    Pois é, “droga” é uma droga, mesmo (alcoolica; fumo; anabolizantes; resíduos sólidos (por que não?); celulares, poluição, jogatina; traição; corrupção; estresses…) tudo de ruim que detona o nosso equilíbrio como pessoa. É bom refletirmos sobre esse e outros temas que deterioram a nossa convivência humana, melhor ainda quando quando nos colocamos em ação, à serviço do bem comum com coragem e respeito a diverdade.

  20. Alex disse:

    Engraçado tanta “revolta” causada pelo escrito em um blog que quer unicamente aparecer. E conseguiu. Partindo deste príncipio, ninguém poderá fazer patrocinio a nada, pois algumas fazem apologia a Drogas, outros a Alcool, outros a sexo, outros a mediocirdade (AH lek lek lek). Enfim, quais dos leitores aqui naõ usam, ou usaram alguns dos itens (sejam musicais, teatrais, etc) ou o proprio alucinógeno (entre eles incluam o alcool) citados acima? No fim das contas, prefiro ainda ser entorpecido pela minha própria vontade a ser pela hiporcrisia!

  21. Lia disse:

    Perfeito…tbm acho isso

  22. Mauricio disse:

    Realmente a ECT se fez presente, mas concordo com o Rodrigo, todo evento possui um prospecto que é utilizado para se angariar os patrocínios e neste release tem as atrações. Há eventos, na minha opinião que seriam muito mais merecedores de patrocício de um festival de música. Entretenimento é bom, mas entretenimento de boa qualidade é ainda melhor.

  23. Rodrigo disse:

    Caros,
    Não entendo o motivo de tanto empenho de algumas pessoas em desqualificar a opinião alheia. apenas reproduzi no post uma reportagem que estava no clipping dos Correios, pois acho que as informações publicadas pela ECT são tendenciosas. O impressionante é a falta de respeito apresentada pelos utilizadores deste blog que não medem suas palavras no momento de ofender os outros.
    Podem continuar criticando e me chamando de hipócrita o quanto quiserem, mas isto não mudará a minha opinião de que o dinheiro deste patrocínio teria sido melhor utilizado em outros eventos. Inclusive as peças publicitárias apresentadas pela ECT em horário nobre nas mídias de comunicação de massa já tornam bastante presente a imagem da empresa junto aos seus clientes.
    A única pessoa que percebi que possui uma visão do que um evento patrocinado pode gerar de positivo, tanto para uma empresa quanto para a população, que tem a oportunidade de participar, seja de um evento musical, esportivo ou cultural é a Sra. Analice Lessa.

  24. marcos disse:

    Só pq uma pessoa tem uma opinião diferente da tua não quer dizer que ela não tenha visão..

    menlhor deixar pra la, as vezes qto mais uma pessoa quer justificar uma opinião pior fica

  25. Alex disse:

    Sim, eu também concordo que um patrocinio mal feito pode “estragar” ou “melhorar” a imagem de uma pessoa ou empresa. Acontece que, para quem talvez não conheça, o Loolapalooza é um festival internacionalmente reconhecido, e é este festival que os Correios tiveram a HONRA de patrocinar, e não um evento de apologia as drogas, como está apresentado acima. Nesse caso, pelo menos ao meu ponto de ver, quem foi tendencioso foi o texto extraído do blog, e não os Correios.

  26. Isabel disse:

    A ECT patrocinou o festival e não a banda Planet Hemp.

  27. Isabel disse:

    A ECT patrocinou em evento de rock e não uma determinada banda que faz apologia ao uso de drogas.

  28. Isabel disse:

    O problema é que por ser uma estatal as pessoas ficam “de olhos abertos e crivados”. Talvez se o patrocínio fosse da Coca-Cola, do Banco Itáu ou do McDonalds ninguém se importaria se uma banda ou outra fizesse apologia a alguma coisa. Eu não disse que sou a favor das drogas, eu disse que não me deixo influenciar por uma determinada banda que faça apologia às drogas e muito menos pego uma arma porque assisti um filme de violência extrema.
    Acho que o pensamento dos Correios foi patrocinar um evento voltado para uma maioria jovem, que talvez não conheça os serviços da ECT ou ainda tem aquela visão que nos Correios só manda carta. Esses jovens, muitos deles são universitários e daqui alguns anos serão profissionais liberais ou estarão empregados e, quem sabe, se utilizando dos serviços dos Correios. Serão consumidores potenciais de serviços de Correios. Acho que o patrocínio tem a ver com isso, além do fato de comemorar os 350 anos de Correios no Brasil.

  29. Isabel disse:

    O Cláudio Humberto é inimigo número 1 dos Correios, sempre que pode, ele dá uma alfinetada.

  30. Renata disse:

    NÃO UTILIZA DOS SERVIÇOS DOS CORREIOS??????? Que planeta vc vive então????? Impossível não utilizar, vc não recebe contas em casa, nunca comprou nada pela internet??? Isso sim é a verdadeira HIPOCRISIA.