Entregas de encomendas normalizadas em Campinas, Jundiaí e Sumaré/SP

Com a suspensão da liminar concedida pela Juíza Federal do Trabalho Camila Ceroni Scarabelli, da 10ª Vara do Trabalho de Campinas, as entregas domiciliárias de encomendas nas áreas consideradas de risco em Campinas, Jundiaí e Sumaré/SP voltaram à normalidade.

A decisão que cassou a liminar fundamentou-se na relevância do serviço postal e na sua continuidade, sob pena de comprometimento de interesse da população em geral.

Ações de segurança — Para garantir a segurança de seus trabalhadores, dos clientes e da carga postal, os Correios assinaram acordo de cooperação técnica com o Departamento de Polícia Federal para a implantação de medidas integradas para prevenção de roubos a carteiros em todo Brasil. O piloto da parceria, realizado na região metropolitana de São Paulo em 2013, resultou na redução de 36% no número de roubos a carteiros e na prisão de diversas quadrilhas especializadas.

A empresa também está investindo R$ 240 milhões em recursos como contratação de serviço de escolta armada e rastreadores de veículos/encomendas, entre outros, e mantêm parceria com os órgãos municipais e estaduais de segurança. A ECT presta assistência médica e psicológica a todas as vítimas de assalto.


Esta entrada foi publicada em Institucional e marcada com a tag . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios.

12 respostas a Entregas de encomendas normalizadas em Campinas, Jundiaí e Sumaré/SP

  1. Antonio Ceará disse:

    Então não haverá mais Area de Restrição de Entrega na cida de Campinas e Sumaré?

    • Correios disse:

      Antonio,

      A cassação da liminar não altera em nada a questão das áreas de restrição de entregas. A existência de tais áreas garante prazos dilatados para a entrega e permite que as unidades de distribuição trabalhem de forma adequada aos recursos de segurança disponíveis (escolta, por exemplo). As ARE continuarão a existir, os efeitos da cassação da liminar dizem respeito apenas à suspensão de entregas solicitada pelo Ministério Público do Trabalho e não às ARE.

  2. Fabio disse:

    Encomendas internacionais foram afetadas com essa liminar??? pergunto, pois sou de campinas e tenho uma encomenda parada na alfandega que não é atualizada o rastreio a mais de 1 mes!!!

    • Correios disse:

      Fabio,

      A ECT esclarece que as remessas internacionais estão sujeitas à retenção pelas autoridades aduaneiras/governamentais no Brasil para verificação de conteúdo ou aplicação de tributos de importação ou outros, não cabendo aos Correios quaisquer interferências nessa fase.

      • Fabio disse:

        Sim, eu sei dessa informação, pois recebo sempre encomendas internacionais, porém desta vez esta demorando e muito, pois o problema é que o ultimo status está como “Encaminhado…de SP para o PR” a 1 mês e 1 semana, ou seja, não ouve atualização alguma e já aconteceu casos que eu recebi a encomenda e o status no rastreio continua sem ser atualizado, e como moro em campinas, achei que o fato de não estarem entregando nada, as encomendas também não foram atualizadas no site devido ao problema e volume de encomendas nesta época do ano.

  3. Mineiro disse:

    OK, a ação mais eficaz que a ECT fez foi de derrubar a liminar que suspendia a entrega.

    Mas me digam uma coisa: o que mudou? Vai ter escolta no primeiro dia de retorno das entregas? A juiza que vetou a entrega e depois cassou a liminar não impos condições para que a entrega voltasse? E aí, voltamos ao status de antes ou os colegas vão ter segurança a partir do primeiro dia de normalidade da entrega? Qual a ação imediata dos Correios a não ser entrar na justiça para obrigar o carteiro a ir em local de risco?

    Derrubar liminar é fácil. Fazer acordos de cooperação com a DPF, dizer que está investindo, também é fácil. Queremos saber se o primeiro carteiro a sair vai ter segurança efetiva. Caso contrário, é só discurso e pouca efetividade.

    • Correios disse:

      Mineiro,

      Nas áreas de risco a entrega domiciliária realizada atende a um modelo específico que visa à segurança dos trabalhadores, dos objetos postais e da população. Em reunião realizada entre a ECT e o Secretário de Assuntos de Segurança do Município de Campinas, Luiz Baggio, o município se comprometeu a intensificar nestas áreas as rondas já realizadas pela Guarda Municipal, até que a escolta contratada pelos Correios seja efetivamente implementada.

      O contrato com a empresa de escolta já foi assinado no dia 23/12/2013. A empresa de segurança tem 30 dias para iniciar a prestação do serviço. Assim, com o cumprimento do prazo legal, o início se dará no mês de janeiro. Os Correios estão se esforçando para que isso ocorra o mais breve possível.

      • Mineiro disse:

        Tenho algumas perguntas:

        O que seria esse “modelo específico de entrega domiciliária em área de risco”, modelo esse que ainda não contempla a escolta?

        Se ainda não há como dar reais condições de entrega (entende-se carteiro escoltado), porque derrubou-se a liminar que antes suspendia?

        Não poderia esperar o contrato ser efetivamente iniciado para então retomar a entrega na regiao de risco?

        Entendo que os Correios trabalham com tabelas de preços homologadas pelo MC, mas esse custo (alto custo) não deveria ser repassado aos clientes? Será que os demais fretes de outras empresas para essas localidades não praticam preços diferenciados?

        • Correios disse:

          Mineiro,

          O modelo específico para área de risco contempla dilatação de prazos (disponíveis para consulta na simulação de prazo do site dos Correios) que possibilita estratégias diferenciadas que aumentam a segurança do trabalhador. A retomada das entregas foi feita após decisão da Justiça do trabalho em determinar a suspensão da liminar

          • Mineiro disse:

            Reiterando:

            Não poderia esperar o contrato ser efetivamente iniciado para então retomar a entrega na regiao de risco?

            Entendo que os Correios trabalham com tabelas de preços homologadas pelo MC, mas esse custo (alto custo) deveria ser repassado aos clientes. Será que os demais fretes de outras empresas para essas localidades não praticam preços diferenciados?

          • Correios disse:

            Mineiro,

            As entregas estão acontecendo segundo modelo específico para entrega de encomendas em áreas de risco que contemplam dilatação de prazos (disponíveis para consulta na simulação de prazo do site dos Correios). Este possibilita estratégias diferenciadas que aumentam a segurança do trabalhador, tais estratégias vêm sendo adotadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>