Representações discutem o CorreiosSaúde em Brasília

A comissão paritária constituída para proposição de melhorias no CorreiosSaúde se reuniu durante toda a semana passada. Os temas debatidos foram: o cenário econômico-financeiro da empresa; nivelamento de informações sobre saúde suplementar; modelo de gestão do plano de saúde; e diagnóstico da Postal Saúde.

Na apresentação de terça-feira (1°) foram expostos os motivos da opção dos Correios em transferir a gestão do plano CorreiosSaúde para a Postal Saúde. Dentre eles, destacam-se: atendimento aos requisitos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS); obstáculos para a manutenção e a contratação da rede credenciada; carência de profissionais especializados na área de saúde; fragilidade nos procedimentos de auditoria em saúde; e dificuldades para desenvolver soluções tecnológicas para a área de saúde, conforme exigências da ANS.

Na quinta-feira (3) foi feita a apresentação e discussão do diagnóstico atual da Postal Saúde. As representações dos trabalhadores tomaram conhecimento do perfil da carteira de beneficiários e das despesas do plano de saúde. Ficou demonstrado que alguns fatores impulsionam com maior vigor o aumento do custo com saúde nos Correios, tais como: aumento da utilização do plano, inflação do mercado de saúde (procedimentos, medicamentos e serviços) e avanço da faixa etária dos beneficiários, com maior registro de envelhecimento entre os dependentes (pais) e os aposentados.

No modelo atual do plano de saúde, em média 93% das despesas do plano são custeadas diretamente pela empresa e apenas 7% são compartilhadas com os beneficiários titulares, havendo a necessidade de redefinição da forma de custeio. Essa medida é necessária para garantir a sustentabilidade e a manutenção do benefício da assistência médica/odontológica aos empregados, aposentados e seus respectivos dependentes.

Em relação às despesas administrativas da Postal Saúde, que correspondem a 10% do custeio do plano, foram apresentadas diversas medidas de redução já efetivadas. Entre elas, destacam-se: redução do valor e do quantitativo das funções, renegociação de aluguéis e de contratos administrativos e redução do efetivo. Também foi aprovada a política de concessão de uso dos imóveis, possibilitando que algumas Unidades de Representação Regional da Postal Saúde (URRs) utilizem os prédios e instalações dos Correios, reduzindo as despesas com aluguel de imóveis.

Veja as atas das reuniões:

Ata dia 1º/11/2016

Ata dias 3 e 4/11/2016

Esta entrada foi publicada em Negociação Permanente e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Prezado leitor,

Só serão publicados comentários diretamente associados ao tema do post. Comentários com conteúdo ou termos ofensivos não serão publicados. Informações, dúvidas, sugestões ou reclamações sobre serviços devem ser encaminhadas ao Fale com os Correios

8 respostas a Representações discutem o CorreiosSaúde em Brasília

  1. correios 2020 disse:

    Já que não da para escapa de um desconto, devido essa situação, de quanto seria?

  2. cansada do atendimento disse:

    O plano de saúde tem que ser apenas para os funcionários. Quem quiser colocar dependentes (cônjuge e filhos apenas) tem que pagar parcela mensal. Sem essa do plano de saúde sustentar tanta gente. É demais! Não se sustenta! Talvez dê até para melhorar nosso salário se o plano tirar esse monte de dependentes!

  3. j disse:

    se os ditos 7% já nos custa no compartilhamento de todos +- R$16,00 por uma consulta basica e em outras até o limite % do calculo do salário . imagina quanto vai nos custar essa mudança se cobrado por mês .

  4. Carteiro 10 disse:

    O problema é cobrarem uma porcentagem do salário e depois continuarem cobrando o compartilhamento. Concordo em pagarmos uma porcentagem mensal de nosso salário e mais nada.

    • cansada do atendimento disse:

      Ufa, carteiro 10! Finalmente concordamos em alguma coisa! A propósito, minha psiquiatra tem me ajudado muito! Não tenho nenhum problema com ela.

  5. COSTA disse:

    Acredito que o primeiro passo é não permitir que mãe e pai façam parte do plano de saúde.

    Testar se é viável permanecer nos moldes atuais apenas com (empregado + cônjuge + 2 filhos) a partir do 3º filho se paga uma mensalidade fixa.

  6. Acredito que devam ouvir os empregados. O que não dá é fazer comparações com o GEAP. Dá licença!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *